Connect with us

Destaque

CUT e Movimentos sociais organizam importante dia do trabalhador unificado na capital e interior

Postado

em

Por um fundamental enfrentamento na atual conjuntura política e social, a CUT BAHIA e demais centrais somam forças para realizar um grande ato político e cultural no 1ª de Maio, Dia do Trabalhador, com um tema que move a classe trabalhadora “Defesa por democracia, Lula Livre, Marielle Vive”.

Este ano,a maioria dos brasileiros compartilham o sentimento de profunda angústia diante do desrespeito com a democracia; a prisão arbitrária de um líder histórico de nossa classe trabalhadora, o Lula; a total falta de consideração desse governo golpista quando se refere a classe trabalhadora, situação que temos certeza quando nos deparamos com uma realidade de recorde históricos de desemprego atingindo 13 milhões de brasileiros (as), uma reforma trabalhista que tenta a “disfarçar” retiradas de direitos dos(as) trabalhadores(as); tentativa de vendas de importantes estatais e fechamentos de fábricas.

Mas é com o espírito de esperança que estaremos nesse importante primeiro de maio, fortalecendo nossa trajetória por toda a Bahia, na capital e no interior, combateremos de maneira forte e unificada a luta por as pautas comuns, de interesse da classe trabalhadora como seguridade social, ampliação dos diretos da classes de trabalhadores, por mais emprego e renda, revogação da “deforma” trabalhista e por Lula livre.

Para o presidente da CUT Bahia a classe trabalhadora sairá mais fortalecida desse momento. ” Vamos lutar de forma forte para que essas tentativas contra a classe trabalhadoras só nos dê energia para lutar ainda mais e conquistar a ampliação de direitos para todos”, destaca.

Confira a programação:

1ª DE MAIO UNIFICADO:

Programação

Salvador
Local: Barra
Horário: 13h
Ação: Apresentação de grandes atrações musicais Ato político

Feira de Santana
Horário: das 8 às 16h
Ação: Missa, ato Marielle Vive , Lula Livre e apresentações de atrações musicais

Santo Antônio de Jesus
Horário: A partir das 8h
Ação: caminhada nos bairros e palestra sobre reforma trabalhista, sindicalismo e o golpe

Camaçari
Horário: 13h
Ação: Festa do Trabalhador da Categoria da Borracha
Local: Arena 2 de Julho, Camaçari

Santo Estevão
Horário: às 9h
Ação: Ato ecumênico e Ato Lula Livre

Canavieiras 
Horário: às 8h
Ação: café da manhã aos trabalhadores na nova sede do sindicato

Conceição de Feira
Horário:
 às 8h
Ação: missa campal e ato Lula Livre.

Porto Seguro
Data: 30/1
Horário: durante o dia
Ação: Concentração e debate no Porto

Itamaraju
Horário: 13h
Ação: Concentração na principal praça, sorteio de prêmio e atividades culturais

Itabotã
Horário: 13h
Ação: Concentração na principal praça e falas sobre Lula Livre

Teixeira de Freitas
Horário: 13h
Ação: Concentração de trabalhadores e carreata

Informações: CUT BAHIA

Comentário do Facebook

Bahia

Espetáculo “Ô Inho… E Eu?” aborda a violência contra mulher em diversos extratos sociais

Publicado

em

A peça teatral trata também da auto estima feminina e o silenciamento sofrido pelas mulheres no dia a dia. Entrada é gratuita

 

O espetáculo Ô Inho… E eu?, que tem como base a violência contra a mulher no planeta, será apresentado no próximo dia 23, às 19 horas, no Centro de Estudos dos Povos Afro-Índio-Americanos – CEPAIA Cultural. O centro está localizado na Rua do Passo, 4, Santo Antônio Além do Carmo e a entrada é gratuita.

“Ô Inho… e eu?” tem o objetivo de refletir a opressão que silencia metade das mulheres agredidas

A proposta é uma reflexão sobre a manifestação de relações de poder historicamente desiguais entre homens e mulheres que conduziram a dominação à discriminação e impedem, até hoje, o pleno avanço das mulheres, um fato cotidiano em todo o mundo.

O nome da peça é um questionamento que mulheres de diversos extratos sociais em situações diversas fazem a si mesmo, ao verem questionadas suas opções, sentimentos e conflitos. “Ô Inho… e eu?” tem o objetivo de refletir a opressão que silencia metade das mulheres agredidas, que, segundo estatísticas, não denunciam ou pedem ajuda. A peça discute também a auto-estima e a valorização feminina.

O espetáculo integra a programação do Novembro Negro, promovido pela UNEB, através do Centro de Estudos dos Povos Afro-Índio-Americanos – CEPAIA- Cultural e do Projeto Universidade Para Todos – UPT. O tema central de 2018 é “Reconhecimento e Educação para Igualdade”, seguindo a Década Internacional do Afrodescendente da Organização das Nações Unidas – ONU.

Durante todo o mês serão promovidas atividades de teatro, poesia, artes visuais, capoeira, fotografia e cinema.Em todos os eventos haverá debates e discussões sobre a questão da igualdade racial.

SERVIÇO

O quê: Espetáculo: Ô Inho… e eu?

Quando: 23 de novembro, às 19 horas

Onde: Rua do Passo, 4 – Santo Antônio Além do Carmo, em frente à Igreja do Carmo (Instituto Estive Biko)

Direção: Rafael Manga

Elenco: Alan Luís, Diane Rebouças, Lívia Ferreira ,Marcelo Teixeira, Marisa Andrade, Silvânia, Rita Santiago

Mais informações: 71 99242-1505

Comentário do Facebook
Continue lendo

Destaque

Povo Negro: ‘O cenário em Salvador e no Brasil é grave e precisamos nos aquilombar’, diz Marta

Publicado

em

A edil criticou o baixo orçamento para a Secretaria de Reparação previsto para 2019, muito aquém da publicidade institucional

 

A líder da oposição na Câmara de Salvador, vereadora Marta Rodrigues (PT), disse, nesta terça-feira (20), Dia da Consciência Negra, quando se homenageia durante todo mês de novembro Zumbi dos Palmares, não há muito o que comemorar no Brasil e em Salvador, mas há muita luta para organizar. “No país, o cenário é horrível com a candidatura de um presidente declaradamente racista. Mas estaremos ainda mais organizados e precisamos nos aquilombar”, disse.

“Há uma tentativa de elitização do Centro Antigo em Salvador, de expulsão de moradores de rua, pessoas pobres de bairros da classe média, para atender os turistas e o empresariado que não leva em conta a vida e a rotina dos moradores.  Vide o Projeto Revitalizar”, diz a petista.

Segundo ela, a população negra residente na capital baiana  também tem sofrido no governo de ACM Neto uma série de impactos nas políticas públicas, com ações e projetos da prefeitura elitistas e gentrificadores – desde a construção do PDDU.  “Sempre retomo esse assunto pois ele é grave. No PDDU, de mais de 500 páginas, apenas um parágrafo trata da questão racial em uma cidade como a maioria da população negra. O PDDU também não incorpora raça/cor na territorialização das suas políticas ou projetos”, diz.

“Vamos precisar estar em constantes reuniões, ainda mais vigilantes, debatendo o tempo todo”, diz.

A petista criticou também o orçamento da prefeitura para a Secretaria Municipal de Reparação previsto para 2019, de 5.749 milhões. “Um valor insignificante diante das demandas e do fato  de estarmos na cidade  com 80% da população sendo negra. Enquanto isso, o previsto para publicidade institucional é de 61.100.000,00 para 2019.  Quais são as prioridades dessa prefeitura?”. Segundo Marta, enquanto o orçamento pra publicidade  institucional subiu mais de R$ 11 milhões, o da Reparação subiu pouco mais de quinhentos mil”, destacou.

Marta lembra, ainda, de projetos do prefeito que tentam espaços da cidade.  “Há uma tentativa de elitização do Centro Antigo, de expulsão de moradores de rua, pessoas pobres de bairros da classe média, para atender os turistas e o empresariado que não leva em conta a vida e a rotina dos moradores.

A política elitista de ACM Neto, segundo ela, atende e acompanha o mesmo modelo do governo do presidente ilegítimo Michel Temer e do presidente eleito Bolsonaro, a quem o prefeito apoiou abertamente.

Comentário do Facebook
Continue lendo

Brasil

PETROBRAS NA MIRA DOS ENTREGUISTAS

Publicado

em

Parlamentares do PT criticaram duramente o anúncio – noticiado pela imprensa como indicação de Paulo Guedes – do economista Roberto Castello Branco como futuro presidente da Petrobras no governo de Jair Bolsonaro. Professor da Fundação Getúlio Vargas é oriundo da Universidade de Chicago, principal centro do pensamento neoliberal no âmbito acadêmico. Castello Branco disse, em artigo publicado na Folha de São Paulo em junho passado, que é “urgente a necessidade de se privatizar não só a Petrobras, mas outras estatais”.

Para o líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (PT-RS), a indicação deixa claro o viés entreguista do futuro governo e gera um evidente conflito de interesses. “Se isso for confirmado, teremos um flagrante conflito de interesses, pois é uma afronta você colocar na direção de uma das maiores empresas do mundo no seu setor alguém que é notoriamente favorável à venda dessa empresa”, diz Pimenta.

“Castello Branco não está sendo escolhido para ser o presidente, mas sim o coveiro da quinta maior empresa brasileira e uma das maiores petrolíferas do mundo. Seria como colocar para presidir a Ford uma pessoa que quer vender a Ford para a Volkswagen”, complementa o líder.

Segundo a presidenta nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), a escolha equivale a colocar a raposa tomando conta do galinheiro. “Vai para a Petrobras quem defende sua privatização! É a entrega do Brasil ao sistema financeiro internacional”, afirmou Gleisi em sua conta no Twitter, na qual também sugeriu o documentário “A doutrina do choque”, da jornalista canadense Naomi Klein, para se entender o que pode acontecer com o Brasil.

Para o deputado Enio Verri (PT-PR), que também é economista, a indicação de Castello Branco é questionável tanto no aspecto econômico quanto no político. “Do ponto de vista econômico, é temerário deixar nas mãos da iniciativa privada um setor estratégico e tão vital para economia de qualquer país como o petrolífero. Dos 20 países com as maiores reservas de petróleo no mundo, a maioria absoluta tem estatais no controle do uso dessas reservas. Essa é a regra global. Por que o Brasil teria que abrir mão do controle de um bem tão fundamental para o nosso desenvolvimento?”, indaga Verri, que é economista e professor licenciado da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

“Do ponto de vista político, nós sabemos que o interesse do governo Temer e do futuro governo Bolsonaro é entregar as nossas riquezas para um punhado de multinacionais estrangeiras cujo único objetivo é garantir os lucros dos seus acionistas. Por isso nós vamos lutar para que isso não ocorra, especialmente porque temos um nível absurdo de desigualdade social para combater”, completou o parlamentar.

Paulo Pimenta garante que a bancada petista no Congresso Nacional vai lutar para barrar a privatização da Petrobras. “Nós vamos lutar e mobilizar a sociedade brasileira para denunciar e impedir que se concretize essa intenção do consórcio Temer/Bolsonaro de entregar a nossa maior empresa e a nossa maior riqueza, o pré-sal, para as multinacionais do petróleo”, declarou o líder.

Palestra – Num evento da Fundação Getúlio Vargas em novembro de 2017, Castello Branco, que é diretor do Centro de Estudos em Crescimento e Desenvolvimento dessa instituição, expôs em detalhes e sem máscaras o seu pensamento privatista. Assista à palestra dele aqui, a partir de 1’08”.

No artigo na Folha de SP, o economista considera “inaceitável manter centenas de bilhões de dólares alocados a empresas estatais em atividades que podem ser desempenhadas pela iniciativa privada”, esquecendo que foi a Petrobras que desenvolveu a tecnologia para descobrir e explorar o pré-sal e é a empresa no mundo que melhor domina a extração de petróleo em águas profundas.

 

Por: Rogério Tomaz Jr./ PT Câmara.

Comentário do Facebook
Continue lendo

TV Lampião

Facebook

Mais acessados