Connect with us

Bahia

Caminhada dá início oficial do Fórum Social Mundial 2018

Postado

em

 Centenas de pessoas saíram em caminhada da praça Dois de Julho, no Campo Grande até a praça Castro Alves, abrindo oficialmente as atividades do Fórum Social Mundial (FSM 2018), evento que reúne organizações e movimentos de todo o mundo para debater novas alternativas e estratégias de enfrentamento ao neoliberalismo.

>>Acampamento da juventude deve receber 6 mil pessoas

Com o tema Povos, territórios e movimentos em resistência e o slogan Resistir é criar, resistir é transformar, o Fórum segue até sábado com atividades no Campus de Ondina da Universidade Federal da Bahia (Ufba) e em outros locais da capital baiana, como o Parque do Abaeté, em Itapuã, e o Parque São Bartolomeu, no subúrbio ferroviário.

São esperadas mais de 100 mil pessoas de 120 países, como Canadá, Marrocos, Finlândia, França, Alemanha, Tunísia, Guiné, Senegal, países sul-americanos e representações nacionais. Estão inscritos 1.500 coletivos, além de organizações e entidades.

Entre as presenças confirmadas estão a dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, Fernando Lugo, do Paraguai, e José Mujica, do Uruguai. Também participarão o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos, a militante indígena e pré-candidata à vice-presidência pelo Psol, Sônia Guajajara, a presidente da Federação Democrática Internacional de Mulheres (FDIM), Lorena Peña, o filósofo do Congo Godefroid Ka Mana Kangudie, dentre outras lideranças.

De acordo com Anne Sena, membro do grupo facilitador do FSM 2018, o Fórum visa criar e discutir as formas de resistência às manobras que tentam impedir os processos democráticos, a participação popular e os direitos conquistados. “É um evento amplo e de grande importância para organizações sociais, pois nele serão repactuadas as diretrizes que vão guiar, nos próximos dois anos, uma luta de resistência”.

Coletiva

A programação do FSM conta com cerca de 1.300 atividades, entre mesas redondas, palestras, oficinas e assembleias. Nesta terça, antes da marcha de abertura, integrantes do Coletivo Brasileiro do Fórum Social Mundial 2018 e do Conselho Internacional do Fórum Social Mundial darão uma coletiva de imprensa, às 11h, no auditório do Pavilhão de Aulas Reitor Felipe Serpa (antigo PAF I), em Ondina.

Na quarta, 14, às 9h, será realizado o Tribunal Popular para Julgamento dos Crimes de Feminicídio contra as Mulheres Negras, no auditório do Instituto Federal da Bahia (Ifba). À tarde, a partir das 14h, a Marcha das Mulheres Contra o Racismo tomará as ruas do centro de Salvador, com concentração no Campo Grande. No mesmo horário, será realizada a Assembleia Mundial da Juventude, no Acampamento Intercontinental das Juventudes, que será montado no Parque de Exposições de Salvador.

Na quinta. 15, o ponto alto será o ato em Defesa da Democracia, no Estádio de Pituaçu, às 17h. O evento contará com as presenças dos ex-presidentes Lula, Dilma, Lugo (Paraguai) e Mujica (Uruguai). Na sexta, 16, ocorre a Assembleia Mundial dos Povos, Movimentos e Territórios em Resistência, às 14h, no Acampamento dos Povos Indígenas, no Centro Administrativo da Bahia (CAB).

O último dia do evento será marcado pela Ágora dos Futuros, que contará com a apresentação dos resultados das atividades do FSM, na Praça das Artes, campus de Ondina da Ufba, e discussã de possíveis atividades para o próximo Fórum em 2020.

Forum Social Mundial –Um espaço de encontro para debates organizado por movimentos sociais de muitos continentes e que tem como objetivo elaborar alternativas para uma transformação social global. Essa é a descrição do Fórum Social Mundial, realizado pela primeira vez na Bahia – embora já tenha ocorrido uma versão parcial do Fórum, (Nordeste, em 2009).

Uma nova edição do evento – que teve início em 2001, na cidade de Porto Alegre – será realizada em Salvador, entre 13 e 17 de março deste ano. A expectativa é que cerca de 50 mil pessoas participem das atividades do FSM. Desta vez, o evento de caráter mundial busca criar resistências às manobras que tentam asfixiar os processos democráticos e a participação popular, retirando direitos duramente conquistados.

Com a maior parte das atividades concentradas no Campus de Ondina da Universidade Federal da Bahia (Ufba), o encontro conta, ainda, com atividades em territórios temáticos como o Parque do Abaeté, em Itapuã; e o Parque São Bartolomeu, no Subúrbio Ferroviário.

Para Paulo Costa Lima, professor da Escola de Música da Ufba, receber o Fórum na instituição representa uma grande oportunidade de discutir e fazer reverberar seus temas de pesquisa e extensão, numa perspectiva internacional.

“Conhecimento implica em troca, em conversas e debates, e o Fórum é justamente um espaço de encontro e de reforço dessa esperança de transformação positiva da economia e da sociedade global, por um futuro com mais equidade, paz e produtividade saudável”, diz o professor, acrescentando que a realização do evento em Salvador representa a culminância de um longo processo de inúmeros eventos preparatórios em todos os continentes.

A Ufba possui vários grupos de pesquisa envolvendo professores, alunos e colaboradores que trabalham discutindo sobre movimentos sociais. A partir daí surgiu a ideia de criar um projeto que tivesse a cara do FSM, cujo tema é “Ufba, Movimentos Sociais e Desafios da Contemporaneidade”, coordenado pela Pró- Reitoria de Extensão — PROEXT/Ufba.

A universidade criou trabalhos envolvendo a realização de mesas, sessões temáticas, intervenções artísticas e oficinas, levando à seleção de 202 atividades, através de inscrições que foram feitas no site do Fórum Social Mundial.

A programação inclui a abertura da Exposição de Fotos Índios Korubo: Vale do Javari, de Sebastião Salgado (Dia 12, 17h, na Reitoria); a Abertura das atividades da Ufba no FSM 2018, com homenagens aos Professores e Pesquisadores Eméritos Sonia Andrade e Zilton Andrade (Medicina/Patologia).

Homenagens

A instituição também fará uma homenagem ao Centenário do Mestre Didi (Dia 13, 14h30, na Reitoria); haverá uma mesa com o tema ‘A Universidade e a Educação no Contexto da Resistência Democrática’ com presenças de Boaventura de Souza Santos e reitores de Universidades Brasileiras, incluindo o Reitor da Ufba, João Carlos Salles.

Já a Escola de Dança sediará encontros do movimento Hip-Hop e Danças de Rua, em nível nacional, envolvendo diversos eventos. O Campus de Ondina receberá todas essas atividades, acolhendo a instalação de tendas, uma Feira de Economia Solidária, além de intervenções artísticas.

Além de enriquecer a educação do estado, o FSM também traz a proposta de uma solução para os problemas da sociedade. Coordenador da organização Vida Brasil, sediada em Salvador, e diretor estadual da Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (Abong /Bahia), Damien Hazard, diz que considera o FSM um grande evento.

“O planeta está passando por uma fase de transição, e nem os governos de forma geral nem o mercado estão oferecendo repostas à altura das necessidades do planeta e da humanidade. O FSM é o poder de expressão, urgente e necessário, de um outro mundo possível”, explica Hazard, que também é membro do Grupo Facilitador do Coletivo Brasileiro do FSM 2018.

Uma das entidades que estará presente no Fórum, o Grupo Vida Brasil (entidade sem fins lucrativos), promove a defesa dos direitos e o exercício da cidadania do idoso, valorizando o envelhecimento e a qualidade de vida, além de prestar serviços gratuitos e de qualidade às pessoas com idade igual ou superior a 60 anos.

O grupo atua junto à organização de pessoas com deficiência para consolidar a ideia e a prática de um FSM acessível e inclusivo, com a participação de pessoas com deficiência. “Estamos convidando pessoas com deficiência de outros países, principalmente africanos”, diz Damien Hazard.

Segundo ele, estarão presentes, por exemplo, representantes dos movimentos de pessoas com albinismo, da região Oeste Africana (Mauritânia, Níger e Benin), que irão trocar experiências com integrantes da Associação de Pessoas com Albinismo da Bahia (APALBA).

Destaques

Para esta edição do FSM 2018, a novidade é união de eixos (veja ao lado), lemas e bandeiras com o intuito de contribuir ao processo de mobilização e articulação das resistências entre si, que são abertos e podem ser propostos por redes, plataformas, organizações e movimentos sociais.

Entre os eixos temáticos do FMS 2018, um dos pontos altos é a Assembleia Mundial das Mulheres. O encontro tem o intuito de assegurar que as mulheres com outras agendas políticas no Fórum estejam liberadas para debater questões de gênero e pautas feministas como a criminalização do aborto, o feminicídio, combate à violência da mulher, o machismo, entre outros, trazendo como tema principal ‘Feminismos e Luta das Mulheres’.

Acontecerá, também, a tradicional Marcha de Abertura no dia 13 de março, que conta também com a presença de jovens negros da Universidade da Integração da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab). O percurso tem como ponto de partida a praça do Campo Grande e segue até a Praça Castro Alves.

No final da caminhada, um palco será montado para apresentações culturais, performance artísticas e musicais, buscando estimular organizações, coletivos, redes e pessoas a expressarem suas lutas.

As inscrições para participantes e organizações no FSM 2018 estão abertas no site oficial do evento até o dia 10 de março e no local durante os dias de programação. Já as inscrições para as modalidades: Participante, Comitê e Grupo de Trabalho, Entidade, Atividades, Inscrições Solidárias e Casos Especiais foram encerradas no dia 20 de fevereiro.

Comentário do Facebook
Continue lendo
Click para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bahia

PROTESTO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO

Publicado

em

Neste momento nas ruas do comércio, os professores da rede Municipal de Ensino, protestam por melhorias salarias. Adata base para o reajuste salarial é maio e desde abril a APLB-Sindicato, entidade representativa da categoria, entregou a pauta de reivindicações e foram realizadas várias reuniões entre o Executivo Municipal e a direção da APLB. Entretanto, como nenhuma resposta positiva foi apresentada, não restou alternativa, senão a greve!

 

Comentário do Facebook
Continue lendo

Bahia

RESISTÊNCIA É A RESPOSTA CONTRA A OPRESSÃO – GREVE É MANTIDA NA ASSEMBLEIA DESTA QUINTA (9) – CATEGORIA ADERE AO “DIA DO BASTA” – NA SEXTA 10 DE AGOSTO!

Publicado

em

As professoras e professores da Rede Municipal de Ensino de Salvador, liderados pela APLB-Sindicato lotaram o Ginásio de Esportes dos Bancários na manhã desta quinta-feira (9), e a aprovaram com esmagadora maioria a manutenção da GREVE que completa 30 dias. As falas da assembleia desta quinta ainda foram bastante emocionadas com relação à agressão e truculência realizada pela guarda municipal contra os professores e dirigentes da APLB-Sindicato, na manifestação realizada na SMED, na terça-feira (7). A categoria é na sua maioria de mulheres e, chamou a atenção do País, o fato da agressão ter ocorrido justamente no dia em que se comemorou 12 anos da Lei Maria da Penha.

A direção da APLB fez uma avaliação do movimento grevista e esclareceu que não houve avanços junto ao Executivo Municipal, que continua afirmando que só negocia após a suspensão da greve.

Diversas moções de apoio chegaram em solidariedade aos professores, entre elas, a da Frente Baiana Escola Sem Mordaça e a do SINDSEPS, que foi lida pela diretora Elza Melo durante a assembleia. O Fórum de Gestores também leu cart

 As professoras e professores da Rede Municipal de Ensino de Salvador, liderados pela APLB-Sindicato lotaram o Ginásio de Esportes dos Bancários na manhã desta quinta-feira (9), e a aprovaram com esmagadora maioria a manutenção da GREVE que completa 30 dias. As falas da assembleia desta quinta ainda foram bastante emocionadas com relação à agressão e truculência realizada pela guarda municipal contra os professores e dirigentes da APLB-Sindicato, na manifestação realizada na SMED, na terça-feira (7). A categoria é na sua maioria de mulheres e, chamou a atenção do País, o fato da agressão ter ocorrido justamente no dia em que se comemorou 12 anos da Lei Maria da Penha.

A direção da APLB fez uma avaliação do movimento grevista e esclareceu que não houve avanços junto ao Executivo Municipal, que continua afirmando que só negocia após a suspensão da greve.

Diversas moções de apoio chegaram em solidariedade aos professores, entre elas, a da Frente Baiana Escola Sem Mordaça e a do SINDSEPS, que foi lida pela diretora Elza Melo durante a assembleia. O Fórum de Gestores também leu carta em que pede ao Executivo Municipal que negocie com a direção da APLB e Comando de Greve para que os professores voltem ao trabalho. Durante a Campanha Eu Assino Pela Educação foram colhidas mais de 13 mil assinaturas.

A assembleia aprovou a agenda de luta desta semana e vai aderir ao Dia do Basta nesta sexta-feira (9). O Ato, promovido pelas principais centrais sindicais de todo o país,  é contra o desemprego e pelo respeito aos direitos conquistados em décadas de mobilização. Trabalhadores realizarão paralisações, atrasos de turnos e atos de protesto em locais de trabalho e nas ruas.

Veja abaixo a Agenda da Greve:

SEXTA-FEIRA – 10 de agosto:

Manhã – “Dia do Basta” – 9h – Concentração no Mercado Modelo

Tarde – 16h – Grande Ato na Barra – Concentração no Morro do Cristo

SEGUNDA-FEIRA – 13 de agosto – Assembleia Geral, às 10h, no Ginásio dos Bancários. Antes da assembleia o Comando de Greve irá se reunir.

ENTENDA OS MOTIVOS DA GREVE:

A GREVE dos trabalhadores em Educação da Rede Municipal de Salvador foi iniciada em 11 de julho de 2018. A data base para o reajuste salarial é maio e desde abril a APLB-Sindicato, entidade representativa da categoria, entregou a pauta de reivindicações e foram realizadas várias reuniões entre o Executivo Municipal e a direção da APLB. Entretanto, como nenhuma resposta positiva foi apresentada, não restou alternativa, senão a greve!

A categoria está cansada da política de arrocho salarial do prefeito ACM Neto, que há três anos impõe reajuste zero, além de investir contra os direitos dos trabalhadores, desrespeitando o Plano de Carreira da categoria. Falta de condições de trabalho na rede e a não realização de eleições para diretores de escolas também estão entre os motivos que levaram à aprovação da greve por tempo indeterminado, a partir de 11 de julho, em assembleia realizada no dia 5 de julho.

Um dos pontos fundamentais da greve é a luta pela melhoria das condições de trabalho.  Muitas escolas em Salvador se encontram em precárias condições de conservação e manutenção e, em grande parte, sofrem pelos transtornos causados pelo calor excessivo ou, quando chove, ocorre suspensão das aulas porque suas dependências apresentam infiltrações, alagamentos, transbordo na rede de esgoto e outros sintomas da inadequação da estrutura, inviabilizando a realização de toda e qualquer atividade na escola. Além disso, faltam professores em diversas escolas, tirando o direito do acesso à educação de muitas crianças.

Reivindicações

A Pauta de Reivindicações da Campanha Salarial dos Trabalhadores da Educação do Município de Salvador contém ao todo 10 pontos, que já foram discutidos exaustivamente entre a APLB-Sindicato e o Executivo Municipal, mas até o momento não houve avanço porque as tratativas esbarram na posição inflexível do governo municipal no que se refere às cláusulas econômicas.

Inicialmente os trabalhadores reivindicavam reajuste linear de 12,41%, para todos os trabalhadores em educação. A contraproposta apresentada pela Prefeitura é de 2,5%, referente ao avanço de referência, direito previsto no Plano de Carreira da categoria, que seria assegurado apenas para os trabalhadores efetivos, deixando aposentados e professores Reda de fora, o que não foi aceito pela categoria!

Diante do impasse, a greve foi a alternativa que restou aos trabalhadores. Já na segunda semana de greve, numa demonstração de responsabilidade e seriedade, a categoria fez uma flexão quanto ao reajuste salarial e aprovou uma contraproposta de reajuste linear no percentual de 6,8% mais 2,5% de avanço na referência para ser entregue ao prefeito de Salvador.

A posição da categoria nesse momento é que o Prefeito negocie com a APLB, visto que atendeu os trabalhadores rodoviários que ameaçaram greve. A pergunta é: por que não atende os servidores que tem relação direta com ele?

Desrespeito ao Plano de Carreira

Os trabalhadores apontam outros problemas, como o não cumprimento de artigos da Lei 8722/2014 (Plano de Carreira), com destaque para a questão do avanço por mudança de nível, no qual se prevê que o educador seja remunerado de acordo com sua titulação acadêmica, requisito necessário a sua formação continuada e que repercute na sua prática pedagógica.

Eles denunciam ainda o processo de achatamento do poder aquisitivo da categoria que acumula uma perda da ordem de 30%, se analisada a projeção salarial de 2015 a 2018 pelo FUNDEB, que estipula o Piso Salarial Nacional para professores.

A direção da APLB aponta os problemas administrativos e político-pedagógicos derivados da não realização da eleição para gestores escolares. A condição de gestão pro tempore que se instalou na rede municipal de ensino, tirou muito da autonomia da comunidade escolar, havendo relatos de equipes escolares pressionadas, inclusive com alertas sobre a possibilidade de perda do cargo comissionado, ou remoção, aos que questionam os atos e determinações da GRE/SMED. Essa situação está relacionada a indícios de assédio moral e abuso de poder contra professores, coordenadores e gestores.

Necessidade imediata de concurso público!

Embora o município anuncie em mídia que a Educação municipal vai muito bem, a verdade é que faltam professores e coordenadores pedagógicos, auxiliares de desenvolvimento infantil e outros atores necessários ao funcionamento das escolas. Além disso, o plano de Carreira foi aprovado pela Câmara em 2014, criando o cargo de Auxiliar Técnico Escolar, que está sem preenchimento até o momento.

Comentário do Facebook
Continue lendo

Bahia

Professores e vereadores vão ao MP-BA pedir apoio para solucionar  greve

Publicado

em

Líder da oposição na Câmara Municipal de Salvador, a vereadora Marta Rodrigues (PT) participou, na tarde desta terça-feira (31), de uma reunião entre a promotoria do Grupo de Atuação em Defesa da Educação do MP-BA, o comando da greve dos professores, a direção da APLB-Sindicato  e a comissão suprapartidária formada por vereadores de Salvador, da qual ela faz parte. O vereador Hilton Coelho (PSOL) também esteve presente, assim como os diretores da APLB, Elza Melo, MArcos MArcelo , Flavia Ribeiro e Rose Aleluia,  além de representantes do Comando de Greve.

Na ocasião, se debateu junto à Promotoria, com o promotor Jose Vicente, formas de solucionar o impasse da greve dos docentes municipais, que há mais de vinte dias, tentam obter, junto à prefeitura de Salvador, o reajuste salarial previsto por lei, além de  melhores condições de trabalho e de estrutura para os estudantes.

“A greve já chega há mais de vinte dias e o prefeito se nega a sentar e atender o pleito dos professores. Os estudantes da rede municipal estão sem aula, pois os professores não tem como trabalhar diante da situação precária em que se encontram as escolas do município”, frisou Marta.

Segundo ela, o prefeito precisa pensar nas crianças e adolescentes que necessitam da educação da rede municipal. “Ele tenta partidarizar a greve, quando na verdade os professores estão preocupados mesmo ê com a qualidade do ensino aos estudantes. A falta de investimento do prefeito na educacao levou a uma situação que os professores não tem mais como dar aula. Reajuste zero, condições precárias, eles ficam impossibilitados de dar aula dessa maneira” disse.

Marta reforçou, ainda, que a greve só foi deflagrada após a recusa  do prefeito.  “Os pais e mães dos alunos estão do lado dos professores porque eles convivem com a realidade das escolas. A greve é por uma educação municipal de qualidade”.

Comentário do Facebook
Continue lendo

TV Lampião

Facebook

Mais acessados