Connect with us

Bahia

Para frente é que se anda ou da herança maldita? Dilemas das gestões públicas.

Postado

em

Por Jocivaldo dos Anjos

As pessoas, ao nascerem, trazem consigo heranças diversas; sejam biológicas ou do seu grupo social. De uma ou de outra forma a se constitui una no mundo, uma vez que suas características fenotípicas jamais serão apresentada ipsis litteris por qualquer outro ser. Estas características, entretanto, jamais poderão ser deterministas a este ser único de suas múltiplas identidades e características que sua herança genética e seu grupo social lhe conferem.

Se o pai ou a mãe possuir uma doença hereditária este ser será já apresentado a sua necessidade de revisitar sua família para poder se curar de tal cólera e continuar vivendo em sua unicidade, mas dentro de um arcabouço familiar. A forma de falar, de ver o mundo, análises sociais, etc. são partes do conteúdo e leituras construídas conforme as condições permitidas que esta pessoa tem, são frutos das relações que ela engendra neste meio. É  permitido também se dizer: para frente é que se anda, mas não se anda para frente sem analisar e entender o passado. Assim também são as gestões públicas e os governos as assumir gestões anteriores, principalmente quando se trata de sucessão da oposição.

Conhecendo o histórico das gestões brasileiras, principalmente das cidades pequenas com características rurais, ainda com a herança mais nítidas do coronelismo, que alguns gestores ao perder a eleição utiliza seus quase 90 dias para desmontarem tudo o que for possível. Desde drive de computadores até a não prestação de contas de convênios deixando as prefeituras incapazes de fomentar contratos diversos com outros entes federados. Isso sem citar na limpeza do lixo, que geralmente as empresas param de pegar lixo na semana subsequente as eleições, carros sucateados, faltando até pneus, limpeza total dos cofres públicos etc. e, com tudo isso se escuta da população, principalmente da oposição: “vamos olhar pra frente e esqueça o passado“.

Lógico. Olhar para frente e desconhecer o passado é negar a história. É negar a historicidade da humanidade e o que fazeres humano para transformar o mundo e apresentar para a geração atual o mundo que temos. Não analisar a herança é não saber como cuidar da doença. Trata-se de uma espécie de anamnese desfalcada. O médico pode receitar algum medicamento sem conhecer a doença? Se a sua resposta é não, logo, nenhum gestor de qualquer partido que seja (da direita à esquerda) pode fazer gestão sem o olho no que foi herdado. (Que deve ser compreendido quando da transição) E, isso não tira o olho para o futuro. Jamais deve tirar, mas não saber como foi o passado de ajuda e desajusta as ações do presente e do futuro. Despolitiza e consegue-se via de regra resultados pífios. Tanto na gestão, quanto na política. Para não falar da ilegalidade que se é não fazer o pente fino na chegada auditando tudo o que se encontrar. Já que também as transições são feitas pela metade.

Desta forma, deve se mirar para todos os lados, e, para o passado também. Não fazer do passado ou da herança maldita as respostas para possíveis incompetências. Não se trata disso. Mas, mirar o passado para que as pessoas compreendam os avanços já feitos sobre o que se encontrou e até onde se andou com os investimentos de capital e de gestão feitos em cada área. Aí daquele a que negam o passado. Aí fazê-lo também nega o futuro e tem por presente (dádiva social) o esquecimento da história.

 

  1. Jocivaldo dos Anjos é Especialista e Mestre em Gestão Pública.

Comentário do Facebook

Bahia

Supremo Tribunal de Justiça nega a federalização do julgamento da ‘Chacina do Cabula’

Publicado

em

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou ontem (28) o pedido do Ministério Público Federal (MPF) para federalizar as investigações sobre a operação da Polícia Militar (PM) que resultou na morte de 12 pessoas e deixou seis feridos, conhecida como a Chacina do Cabula, ocorrida em fevereiro de 2015, em Salvador.

Ao analisar a questão, a Terceira Seção do tribunal entendeu não que foram cumpridos os requisitos processuais para aceitação do pedido de deslocamento de competência e que não foram encontradas evidências de que a Justiça estadual não julga o caso com imparcialidade.

Para o presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB/Bahia, Jerônimo Mesquita, a federalização acontece quando existem graves violações de direitos humanos como aconteceram na  ‘Chacina do Cabula’. “Seria melhor se fosse ponto federal, pois o Estado Federal é mais isento, o Tribunal fica em Brasília, menos próximo das paixões locais. A pressão que se pode exercer sobre a Justiça é menor sendo federal. Vamos continuar acompanhando e continuar batalhando para que a justiça seja feita”, afirma.

Confira a matéria completa do BA TV

 

Com informações da Agência Brasil e BA TV.

 

Comentário do Facebook
Continue lendo

Bahia

Opinião: Senhor presidente

Publicado

em

Senhor presidente,

Foi a ousadia do plano, meu chapa! Foi a audácia. Foi a coragem de contrapor a história. Foi um querer reposicionador de governantes e governados. Foi o sonho. Não foi crime.

Não se precisa de crime quando a sentença já se é dada ao nascituro. Não precisa de crime quando o juiz é um promotor de acusação. Não precisa de crime se a imparcialidade judicial é o que orienta a decisão, Presidente.

Presidente, ninguém o afastará da história da gente. Pai da segunda abolição da escravatura brasileira. Patrono dos primeiros empobrecidos nas universidades; lembrador dos esquecidos do Brasil. Levanta!

Levanta a vista ainda que somente veja as paredes que o cerca. Escreva durante a insônia e se tiver vontade chore. Não pelo lugar que está, mas pelo lugar que transformou.

Regozije pelo povo que não morre mais de sede, pelas crianças com alimentação saudável, pelo pleno emprego, pelas famílias com casas e, acima de tudo, pela autoestima levantada deste povo, presidente!

A história do Brasil foi recontada. A maldade desta “gentes” não suplantará nosso amor. Continuaremos a amar e a respeita-lo. Sabemos de onde viemos e para onde queremos ir, presidente.
Se a primavera não chega agora a gente planta as flores e vamos regrando com as águas que inundam as mentes de quem sonha e luta. Ela haverá de chegar!
Senhor presidente, sigamos!

Jocivaldo dos Anjos. 24/11/2019

Comentário do Facebook
Continue lendo

Bahia

Espetáculo “Ô Inho… E Eu?” aborda a violência contra mulher em diversos extratos sociais

Publicado

em

A peça teatral trata também da auto estima feminina e o silenciamento sofrido pelas mulheres no dia a dia. Entrada é gratuita

 

O espetáculo Ô Inho… E eu?, que tem como base a violência contra a mulher no planeta, será apresentado no próximo dia 23, às 19 horas, no Centro de Estudos dos Povos Afro-Índio-Americanos – CEPAIA Cultural. O centro está localizado na Rua do Passo, 4, Santo Antônio Além do Carmo e a entrada é gratuita.

“Ô Inho… e eu?” tem o objetivo de refletir a opressão que silencia metade das mulheres agredidas

A proposta é uma reflexão sobre a manifestação de relações de poder historicamente desiguais entre homens e mulheres que conduziram a dominação à discriminação e impedem, até hoje, o pleno avanço das mulheres, um fato cotidiano em todo o mundo.

O nome da peça é um questionamento que mulheres de diversos extratos sociais em situações diversas fazem a si mesmo, ao verem questionadas suas opções, sentimentos e conflitos. “Ô Inho… e eu?” tem o objetivo de refletir a opressão que silencia metade das mulheres agredidas, que, segundo estatísticas, não denunciam ou pedem ajuda. A peça discute também a auto-estima e a valorização feminina.

O espetáculo integra a programação do Novembro Negro, promovido pela UNEB, através do Centro de Estudos dos Povos Afro-Índio-Americanos – CEPAIA- Cultural e do Projeto Universidade Para Todos – UPT. O tema central de 2018 é “Reconhecimento e Educação para Igualdade”, seguindo a Década Internacional do Afrodescendente da Organização das Nações Unidas – ONU.

Durante todo o mês serão promovidas atividades de teatro, poesia, artes visuais, capoeira, fotografia e cinema.Em todos os eventos haverá debates e discussões sobre a questão da igualdade racial.

SERVIÇO

O quê: Espetáculo: Ô Inho… e eu?

Quando: 23 de novembro, às 19 horas

Onde: Rua do Passo, 4 – Santo Antônio Além do Carmo, em frente à Igreja do Carmo (Instituto Estive Biko)

Direção: Rafael Manga

Elenco: Alan Luís, Diane Rebouças, Lívia Ferreira ,Marcelo Teixeira, Marisa Andrade, Silvânia, Rita Santiago

Mais informações: 71 99242-1505

Comentário do Facebook
Continue lendo

TV Lampião

Facebook

Mais acessados