Connect with us

Bahia

Para frente é que se anda ou da herança maldita? Dilemas das gestões públicas.

Postado

em

Por Jocivaldo dos Anjos

As pessoas, ao nascerem, trazem consigo heranças diversas; sejam biológicas ou do seu grupo social. De uma ou de outra forma a se constitui una no mundo, uma vez que suas características fenotípicas jamais serão apresentada ipsis litteris por qualquer outro ser. Estas características, entretanto, jamais poderão ser deterministas a este ser único de suas múltiplas identidades e características que sua herança genética e seu grupo social lhe conferem.

Se o pai ou a mãe possuir uma doença hereditária este ser será já apresentado a sua necessidade de revisitar sua família para poder se curar de tal cólera e continuar vivendo em sua unicidade, mas dentro de um arcabouço familiar. A forma de falar, de ver o mundo, análises sociais, etc. são partes do conteúdo e leituras construídas conforme as condições permitidas que esta pessoa tem, são frutos das relações que ela engendra neste meio. É  permitido também se dizer: para frente é que se anda, mas não se anda para frente sem analisar e entender o passado. Assim também são as gestões públicas e os governos as assumir gestões anteriores, principalmente quando se trata de sucessão da oposição.

Conhecendo o histórico das gestões brasileiras, principalmente das cidades pequenas com características rurais, ainda com a herança mais nítidas do coronelismo, que alguns gestores ao perder a eleição utiliza seus quase 90 dias para desmontarem tudo o que for possível. Desde drive de computadores até a não prestação de contas de convênios deixando as prefeituras incapazes de fomentar contratos diversos com outros entes federados. Isso sem citar na limpeza do lixo, que geralmente as empresas param de pegar lixo na semana subsequente as eleições, carros sucateados, faltando até pneus, limpeza total dos cofres públicos etc. e, com tudo isso se escuta da população, principalmente da oposição: “vamos olhar pra frente e esqueça o passado“.

Lógico. Olhar para frente e desconhecer o passado é negar a história. É negar a historicidade da humanidade e o que fazeres humano para transformar o mundo e apresentar para a geração atual o mundo que temos. Não analisar a herança é não saber como cuidar da doença. Trata-se de uma espécie de anamnese desfalcada. O médico pode receitar algum medicamento sem conhecer a doença? Se a sua resposta é não, logo, nenhum gestor de qualquer partido que seja (da direita à esquerda) pode fazer gestão sem o olho no que foi herdado. (Que deve ser compreendido quando da transição) E, isso não tira o olho para o futuro. Jamais deve tirar, mas não saber como foi o passado de ajuda e desajusta as ações do presente e do futuro. Despolitiza e consegue-se via de regra resultados pífios. Tanto na gestão, quanto na política. Para não falar da ilegalidade que se é não fazer o pente fino na chegada auditando tudo o que se encontrar. Já que também as transições são feitas pela metade.

Desta forma, deve se mirar para todos os lados, e, para o passado também. Não fazer do passado ou da herança maldita as respostas para possíveis incompetências. Não se trata disso. Mas, mirar o passado para que as pessoas compreendam os avanços já feitos sobre o que se encontrou e até onde se andou com os investimentos de capital e de gestão feitos em cada área. Aí daquele a que negam o passado. Aí fazê-lo também nega o futuro e tem por presente (dádiva social) o esquecimento da história.

 

  1. Jocivaldo dos Anjos é Especialista e Mestre em Gestão Pública.

Comentário do Facebook

Bahia

AO VIVO: #DiálogosCapitais – Curitiba/PR: Bancos públicos sob ataque: desafios, riscos e perspectivas

Publicado

em

Comentário do Facebook
Continue lendo

Bahia

RIO “ATERRADO” NO ITAIGARA

Publicado

em

Máquinas do deputado João Gualberto, dono do Hiper ideal, que comprou terreno público vendido por ACM Neto, aterraram ontem, 5, um dos rios que passa pelo Itaigara, cometendo assim um grande crime ambiental. Esse povo não vai aprender nunca com as tragédias ambientais. Por onde as águas daquele bairro vão escoar em caso de enchentes?

Via Messias Lula da Silva

Comentário do Facebook
Continue lendo

Bahia

LANÇAMENTO DO LIVRO PARA ONDE VAI A POLÍTICA BRASILEIRA?

Publicado

em

PARA ONDE VAI A POLÍTICA BRASILEIRA?
BREVE ENSAIO SOBRE A CRISE DE REPRESENTAÇÃO E O PÓS-IMPEACHMENT

O público interessado em entender o país encontrará no livro Para onde vai a
política brasileira? perguntas e respostas instigantes sobre os últimos acontecimentos
que marcam a crise política atual. As manifestações de junho de 2013, a Operação
Lava Jato, as eleições presidenciais de 2014, os protestos antipetistas de 2015 e o
impeachment da presidenta Dilma Rousseff são narrados de forma meticulosa pelo
autor, apresentando informações de bastidores e o que foi debatido pela imprensa,
dando um caráter objetivo e factual às análises apresentadas ao longo da obra. Tratase
de um jovem cientista político, professor e pesquisador baiano com vasta presença
em palestras, conferências, escritos em jornais, blogs e redes sociais, que oferece
novos pontos de debate sobre a política, em especial, sobre os rumos da esquerda
brasileira e do lulismo, enquanto fenômeno de representação eleitoral nos últimos
anos. Ao dialogar com os fatos, o autor oferta ao público leitor análises para quem não
vivencia a vida acadêmica e tem como ponto forte o intenso diálogo com outras obras
lançadas nos últimos anos no calor da crise política brasileira.

A escolha do autor pelo tema do livro acompanha a sua trajetória de cientista
político: busca lançar luzes sobre o futuro da política democrática no país e as raízes
das disputas societárias que não serão facilmente capturadas por uma
representatividade do sistema político decorrente das eleições de 2018. A política
brasileira tem um encontro marcado nos próximos anos com a sua definição de
república e democracia dentro do sistema político e pelas ruas do país.

O leitor ou a leitora encontrará nas páginas deste livro uma ampla
reconstituição dos fatos políticos dos últimos anos, uma viagem sobre a crise política
brasileira em diálogo com o que virá pela frente: teremos um avanço da democracia
com a construção de um novo pacto de classes, assim como fez o varguismo e o
lulismo? Ou estaremos diante de um retrocesso que fragiliza a nossa democracia e a
sociedade civil ao ponto de criarmos perigos autoritários enquanto uma armadilha
civilizatória consonante com o nosso passado colonial? Para onde vai a política
brasileira?

AUTORES
Cláudio André de Souza – Graduado, mestre e doutor em Ciências Sociais
pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Cláudio André de Souza é professor de
Ciência Política da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia AfroBrasileira
(UNILAB), campus dos Malês (BA) e professor colaborador do Programa de
Pós-Graduação em Políticas Sociais e Cidadania da Universidade Católica do Salvador
(UCSAL). Atualmente pesquisa temas relacionados à democracia, partidos políticos,
representação, participação, protestos e movimentos sociais.

 

SOBRE A EMPRESA
Localizada na cidade de Curitiba, Paraná, a Editora Appris, conta com
aproximadamente sete anos de existência. A empresa atua no ramo de publicação de
obras técnicas e científicas nas mais variadas áreas do conhecimento. Com a
experiência de seus editores, que estão há mais de 27 anos no mercado editorial, a
Appris possui um catálogo com mais de 2 mil obras publicadas e, número esse que
cresce com uma média de 60 lançamentos por mês.

CONTATO
Empresa: Appris Editora & Livraria;
Departamento: Comunicação e Marketing;
Responsável pelo Departamento: Sara Coelho
E-mail: marketing@editoraappris.com.br, Telefone: (41) 3156-4731

Comentário do Facebook
Continue lendo

TV Lampião

Facebook

Mais acessados