Connect with us

Bahia

A Integração do Sistema de Transporte da RMS (ônibus x metrô) e o respeito ao direito de ir e vir das pessoas

Postado

em

 Por Apio Vinagre – Advogado licenciado, atualmente Secretário de Controle Interno de Lauro de Freitas e editor do Blog Espaço de Sobrevivência

O que deveria se consolidar como um gol de placa dos governantes, no que tange à mobilidade urbana tem se traduzido em motivo de revolta e de críticas a governantes baianos. É de se lamentar que não tenha havido sensibilidade e apreço ao principal motivo de existir do poder público, que é servir bem ao público, respeitando seus direitos e lhes garantido o pleno exercício da cidadania.

Depois de muito debate e de embates políticos entre o Governo do Estado da Bahia e a Prefeitura de Salvador, “finalmente” se chegou a uma decisão quanto à integração entre ônibus da capital e da Região Metropolitana de Salvador, com o sistema metroviário de Salvador e Lauro de Freitas. Entretanto, o que deveria funcionar como elemento de celebração pelos milhares de cidadãos e cidadãs, principalmente da RMS, passou a ser motivo de críticas, mobilização e até de protestos por parte dos mesmos.

Isso por que a decisão de obrigar a todos os ônibus, que transitam no eixo paralelo à Linha 2 do Metrô, notadamente os oriundos da Região Metropolitana, a ter seu ponto final na Estação Mussurunga, respeitadas as opiniões divergentes do que ora expressamos, não observou aspectos mínimos de capacidade técnica operacional do sistema e muito menos da segurança dos usuários do sistema afetada de forma nítida por esta decisão. Senão vejamos:

Ao se definir de forma unilateral (poder público) que a Estação Mussurunga, do Metrô, seria o ponto de direcionamento de tamanha massa humana, era de se esperar que a estrutura de atendimento dos usuários visando a aquisição e recarga dos cartões de passagem atendesse à demanda com folga, aspecto que de forma cristalina não existe naquela estação, uma vez que  apenas dois guichês foram consolidados e não é raro chegarmos lá e verificarmos apenas um em funcionamento.

A situação pode ser contraditada pelos gestores do sistema com a informação de que foram disponibilizadas máquinas eletrônicas para que o usuário faça o chamado autoatendimento, porém, para ilustrar a realidade, no último sábado (07), das diversas máquinas existentes apenas duas operavam e mesmo assim, sem todas as suas funcionalidades ativas, como a de se pagar a recarga com cartão de débito, apesar de possuir acoplado o equipamento para tal.

Esta deficiência, somada ao grande fluxo, natural do direcionamento do fluxo para aquela estação obviamente gera um congestionamento de pessoas formando filas enormes e que acabam, somando-se ao outro problema estrutural daquele ponto de embarque e desembarque, tem feito do ato de ir e vir de metrô a partir de mussurunga, um verdadeiro inferno.

Foto: skyscrapercity

Como se sabe, a estrutura de passarela disponível para os usuários do sistema, na maioria das estações do metrô Salvador x Lauro de Freitas ainda é a das passarelas antigas de Salvador, com verdadeiras gambiarras adaptadas para dar um “jeitinho” de levar os usuários às estações. Numa estação onde o fluxo é pequeno, acaba por não se notar os problemas dessa solução adotada, mas, quando se fala da realidade que hoje se enfrenta, principalmente na estação de Mussurunga, além da formação de um verdadeiro amontoado de pessoas por sobre a passarela, chama a atenção de quem tem um mínimo de preocupação com a segurança e integridade física das pessoas a perguntar: Quem pagará a conta ou se responsabilizará por um eventual acidente com vítimas neste equipamento? Quem assina o laudo de capacidade daquela passarela para suportar a imensa carga que se direcionou para a mesma com a medida adotada, segundo fontes, pela Prefeitura de Salvador? Como se dá, nestas condições, a garantia de acessibilidade às Pessoas com deficiência que se desloquem para aquela estação? São perguntas que precisam ser respondidas por quem de direito.

Sou um entusiasta do Metrô Salvador x Lauro de Freitas. Participei da comissão que envolvia as administrações de Salvador, Lauro de Freitas e Governo do Estado, que em 2011/2012 discutiu diversos aspectos relativos ao modal, entretanto, este entusiasmo e expectativas positivas quanto à imensa contribuição que esta obra traz para o Estado da Bahia, não me tira a preocupação quanto à qualidade e principalmente a segurança dedicada aos milhares de baianos e baianas que acreditam e esperam ter no Metrô um desafogar de anos e anos de sofrimento perante o sistema de transporte de massas de Salvador e RMS.

Que os gestores públicos envolvidos e a concessionária responsável pelo sistema possam adotar as providências necessárias a garantir efetivamente o direito de ir e vir com qualidade, segurança e principalmente, respeito à dignidade de cada usuário do sistema. Essa é nossa expectativa!

 

 

Comentário do Facebook

Bahia

Supremo Tribunal de Justiça nega a federalização do julgamento da ‘Chacina do Cabula’

Publicado

em

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou ontem (28) o pedido do Ministério Público Federal (MPF) para federalizar as investigações sobre a operação da Polícia Militar (PM) que resultou na morte de 12 pessoas e deixou seis feridos, conhecida como a Chacina do Cabula, ocorrida em fevereiro de 2015, em Salvador.

Ao analisar a questão, a Terceira Seção do tribunal entendeu não que foram cumpridos os requisitos processuais para aceitação do pedido de deslocamento de competência e que não foram encontradas evidências de que a Justiça estadual não julga o caso com imparcialidade.

Para o presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB/Bahia, Jerônimo Mesquita, a federalização acontece quando existem graves violações de direitos humanos como aconteceram na  ‘Chacina do Cabula’. “Seria melhor se fosse ponto federal, pois o Estado Federal é mais isento, o Tribunal fica em Brasília, menos próximo das paixões locais. A pressão que se pode exercer sobre a Justiça é menor sendo federal. Vamos continuar acompanhando e continuar batalhando para que a justiça seja feita”, afirma.

Confira a matéria completa do BA TV

 

Com informações da Agência Brasil e BA TV.

 

Comentário do Facebook
Continue lendo

Bahia

Opinião: Senhor presidente

Publicado

em

Senhor presidente,

Foi a ousadia do plano, meu chapa! Foi a audácia. Foi a coragem de contrapor a história. Foi um querer reposicionador de governantes e governados. Foi o sonho. Não foi crime.

Não se precisa de crime quando a sentença já se é dada ao nascituro. Não precisa de crime quando o juiz é um promotor de acusação. Não precisa de crime se a imparcialidade judicial é o que orienta a decisão, Presidente.

Presidente, ninguém o afastará da história da gente. Pai da segunda abolição da escravatura brasileira. Patrono dos primeiros empobrecidos nas universidades; lembrador dos esquecidos do Brasil. Levanta!

Levanta a vista ainda que somente veja as paredes que o cerca. Escreva durante a insônia e se tiver vontade chore. Não pelo lugar que está, mas pelo lugar que transformou.

Regozije pelo povo que não morre mais de sede, pelas crianças com alimentação saudável, pelo pleno emprego, pelas famílias com casas e, acima de tudo, pela autoestima levantada deste povo, presidente!

A história do Brasil foi recontada. A maldade desta “gentes” não suplantará nosso amor. Continuaremos a amar e a respeita-lo. Sabemos de onde viemos e para onde queremos ir, presidente.
Se a primavera não chega agora a gente planta as flores e vamos regrando com as águas que inundam as mentes de quem sonha e luta. Ela haverá de chegar!
Senhor presidente, sigamos!

Jocivaldo dos Anjos. 24/11/2019

Comentário do Facebook
Continue lendo

Bahia

Espetáculo “Ô Inho… E Eu?” aborda a violência contra mulher em diversos extratos sociais

Publicado

em

A peça teatral trata também da auto estima feminina e o silenciamento sofrido pelas mulheres no dia a dia. Entrada é gratuita

 

O espetáculo Ô Inho… E eu?, que tem como base a violência contra a mulher no planeta, será apresentado no próximo dia 23, às 19 horas, no Centro de Estudos dos Povos Afro-Índio-Americanos – CEPAIA Cultural. O centro está localizado na Rua do Passo, 4, Santo Antônio Além do Carmo e a entrada é gratuita.

“Ô Inho… e eu?” tem o objetivo de refletir a opressão que silencia metade das mulheres agredidas

A proposta é uma reflexão sobre a manifestação de relações de poder historicamente desiguais entre homens e mulheres que conduziram a dominação à discriminação e impedem, até hoje, o pleno avanço das mulheres, um fato cotidiano em todo o mundo.

O nome da peça é um questionamento que mulheres de diversos extratos sociais em situações diversas fazem a si mesmo, ao verem questionadas suas opções, sentimentos e conflitos. “Ô Inho… e eu?” tem o objetivo de refletir a opressão que silencia metade das mulheres agredidas, que, segundo estatísticas, não denunciam ou pedem ajuda. A peça discute também a auto-estima e a valorização feminina.

O espetáculo integra a programação do Novembro Negro, promovido pela UNEB, através do Centro de Estudos dos Povos Afro-Índio-Americanos – CEPAIA- Cultural e do Projeto Universidade Para Todos – UPT. O tema central de 2018 é “Reconhecimento e Educação para Igualdade”, seguindo a Década Internacional do Afrodescendente da Organização das Nações Unidas – ONU.

Durante todo o mês serão promovidas atividades de teatro, poesia, artes visuais, capoeira, fotografia e cinema.Em todos os eventos haverá debates e discussões sobre a questão da igualdade racial.

SERVIÇO

O quê: Espetáculo: Ô Inho… e eu?

Quando: 23 de novembro, às 19 horas

Onde: Rua do Passo, 4 – Santo Antônio Além do Carmo, em frente à Igreja do Carmo (Instituto Estive Biko)

Direção: Rafael Manga

Elenco: Alan Luís, Diane Rebouças, Lívia Ferreira ,Marcelo Teixeira, Marisa Andrade, Silvânia, Rita Santiago

Mais informações: 71 99242-1505

Comentário do Facebook
Continue lendo

TV Lampião

Facebook

Mais acessados