Connect with us

Brasil

VITÓRIA DA CONQUISTA: Estudantes rasgam outdoor de vereador que pede intervenção militar

Postado

em

Preso na greve da PM, o ex-policial David Salomão, hoje vereador pelo PTC, espalhou campanha em apoio à intervenção dos militares e ato revoltou a comunidade da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, UESB. Detido em 2012, o vereador chamou os estudantes de “criminosos” 

Em resposta à “Intervenção”, outdoor exibiu as mensagens: “Não à Ditadura” e “Ditadura nunca mais!”

Em meio a pregações cada dia mais rotineiras de uma suposta intervenção militar para salvar o Brasil da corrupção, o vereador de Vitória da Conquista, David Salomão (PTC), deflagrou uma campanha – não se sabe se financiada pelo próprio ou com dinheiro público da Câmara Municipal – para engrossar o coro pela volta dos militares. Um desses outdoors estampava o apelo aos milicos bem próximo da entrada principal da Uesb, por onde passam diariamente centenas de estudantes e professores. Insultada com a incitação em letras garrafais de um regime que ceifou vidas, torturou e empurrou muitos brasileiros para o exílio, a comunidade acadêmica reagiu e rasgou, na última quarta, 4, o pleito estúpido do vereador.

Um dos presentes no protesto foi o advogado e professor do curso de Direito da instituição, Ruy Medeiros. Torturado pelo regime militar, Ruy – um dos mais respeitados professores da universidade – cobrou um posicionamento oficial da Câmara Municipal. Em seu perfil na rede social Facebook, o vereador do PTC, ao estilo MBL/Olavo de Carvalho, reiterou a defesa da intervenção e chamou – sem um autoexame de consciência, evidentemente – os docentes de “doutrinadores”. Religioso, Salomão foi preso em 2012 após telefonemas interceptados pela Justiça flagrarem ele planejando “queimar carretas e viaturas” durante a greve da PM daquele ano.

G1-BA dá palanque para vereador se defender

Em mensagens interceptadas pela Justiça, David Salomão avisa que vai “queimar viatura” e incendiar “duas carretas”

Preso em 2012 por incitar a quebra da lei e da ordem, o vereador David Salomão invocou em sua defesa, sem invocar o seu passado, “vandalismo” dos professores e dos estudantes. “São marginais”, esbravejou o ex-policial. Além de entusiasta do regime militar e admirador de Jair Bolsonaro (condenado por injúria racial na última segunda, 2), Salomão atacou em sua página no Facebook o que chamou de “ditadura esquerdista”. Mas, ao estilo “o meu passado me condena”, Salomão foi filiado ao PCdoB, agremiação da qual foi expulso por “comportamento (durante a greve da PM) não condizente com a linha do partido”, segundo o então presidente estadual da legenda, Daniel Almeida. Por sua conduta em 2012, até mesmo a subseção local da OAB cogitou sua expulsão dos quadros da Ordem (ele também é advogado).

Mesmo com esse histórico desabonador, ao G1 Salomão posou de bom moço e prometeu processar estudantes e professores: “Defendo a liberdade de expressão e tive a minha liberdade violada. Eles agiram como verdadeiros ditadores. Fui alvo de criminosos”. A desvairada declaração passou desapercebida pelos editores do G1, uma vez que foi justamente o regime aclamado pelo vereador, e alvo do veemente protesto dos estudantes, que baixou AIs (Atos Institucionais) e Decretos-Leis cerceando a liberdade de expressão de artistas e instituindo a censura prévia à imprensa.

O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da Uesb divulgou nota em que repudia a mensagem do vereador por esta fazer “uma apologia à volta do vergonhoso regime de exceção o qual, além de macular nossa história, apresenta uma visão político-social que não reconhece a pluralidade de ideias, base em que se assenta a Uesb em sua missão educativa”.

ASSISTA AO VÍDEO:

Com informações: Megarádio VCA, Blog do Anderson, G1, Blog do Fábio Sena   

Comentário do Facebook

Brasil

PETROBRAS NA MIRA DOS ENTREGUISTAS

Publicado

em

Parlamentares do PT criticaram duramente o anúncio – noticiado pela imprensa como indicação de Paulo Guedes – do economista Roberto Castello Branco como futuro presidente da Petrobras no governo de Jair Bolsonaro. Professor da Fundação Getúlio Vargas é oriundo da Universidade de Chicago, principal centro do pensamento neoliberal no âmbito acadêmico. Castello Branco disse, em artigo publicado na Folha de São Paulo em junho passado, que é “urgente a necessidade de se privatizar não só a Petrobras, mas outras estatais”.

Para o líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (PT-RS), a indicação deixa claro o viés entreguista do futuro governo e gera um evidente conflito de interesses. “Se isso for confirmado, teremos um flagrante conflito de interesses, pois é uma afronta você colocar na direção de uma das maiores empresas do mundo no seu setor alguém que é notoriamente favorável à venda dessa empresa”, diz Pimenta.

“Castello Branco não está sendo escolhido para ser o presidente, mas sim o coveiro da quinta maior empresa brasileira e uma das maiores petrolíferas do mundo. Seria como colocar para presidir a Ford uma pessoa que quer vender a Ford para a Volkswagen”, complementa o líder.

Segundo a presidenta nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), a escolha equivale a colocar a raposa tomando conta do galinheiro. “Vai para a Petrobras quem defende sua privatização! É a entrega do Brasil ao sistema financeiro internacional”, afirmou Gleisi em sua conta no Twitter, na qual também sugeriu o documentário “A doutrina do choque”, da jornalista canadense Naomi Klein, para se entender o que pode acontecer com o Brasil.

Para o deputado Enio Verri (PT-PR), que também é economista, a indicação de Castello Branco é questionável tanto no aspecto econômico quanto no político. “Do ponto de vista econômico, é temerário deixar nas mãos da iniciativa privada um setor estratégico e tão vital para economia de qualquer país como o petrolífero. Dos 20 países com as maiores reservas de petróleo no mundo, a maioria absoluta tem estatais no controle do uso dessas reservas. Essa é a regra global. Por que o Brasil teria que abrir mão do controle de um bem tão fundamental para o nosso desenvolvimento?”, indaga Verri, que é economista e professor licenciado da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

“Do ponto de vista político, nós sabemos que o interesse do governo Temer e do futuro governo Bolsonaro é entregar as nossas riquezas para um punhado de multinacionais estrangeiras cujo único objetivo é garantir os lucros dos seus acionistas. Por isso nós vamos lutar para que isso não ocorra, especialmente porque temos um nível absurdo de desigualdade social para combater”, completou o parlamentar.

Paulo Pimenta garante que a bancada petista no Congresso Nacional vai lutar para barrar a privatização da Petrobras. “Nós vamos lutar e mobilizar a sociedade brasileira para denunciar e impedir que se concretize essa intenção do consórcio Temer/Bolsonaro de entregar a nossa maior empresa e a nossa maior riqueza, o pré-sal, para as multinacionais do petróleo”, declarou o líder.

Palestra – Num evento da Fundação Getúlio Vargas em novembro de 2017, Castello Branco, que é diretor do Centro de Estudos em Crescimento e Desenvolvimento dessa instituição, expôs em detalhes e sem máscaras o seu pensamento privatista. Assista à palestra dele aqui, a partir de 1’08”.

No artigo na Folha de SP, o economista considera “inaceitável manter centenas de bilhões de dólares alocados a empresas estatais em atividades que podem ser desempenhadas pela iniciativa privada”, esquecendo que foi a Petrobras que desenvolveu a tecnologia para descobrir e explorar o pré-sal e é a empresa no mundo que melhor domina a extração de petróleo em águas profundas.

 

Por: Rogério Tomaz Jr./ PT Câmara.

Comentário do Facebook
Continue lendo

Bahia

MP da privatização da água é barrada na Câmara dos Deputados

Publicado

em

Parlamentares da oposição e entidades do setor do saneamento conseguiram impedir votação nesta terça-feira (13/11)

 

Os movimentos em defesa da água conquistaram importante vitória nesta terça-feira (13/11), ao impedir a votação da Medida Provisória 844/18, conhecida como MP da privatização da água. A obstrução dos partidos da oposição, impediu que a medida entrasse em votação durante a sessão deliberativa extraordinária de hoje.

“Essa é a primeira grande derrota do consórcio Temer/Bolsonaro; a obstrução da oposição, em especial a do PT, foi que organizou essa grande vitória”, comemorou o deputado federal Afonso Florence, que integrou a comissão mista responsável por avaliar a MP 844 e esteve à frente das negociações com os líderes do governo, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) e André Moura (PSC-SE), e o ministro das cidades Alexandre Baldy.

Após sucessivas rodadas de negociação entre governo e oposição, não foi possível chegar a uma proposta de consenso e foi mantida a obstrução. Como a medida perde a validade na próxima segunda-feira (19/11) e o governo reconheceu que não conseguiria derrubar a obstrução posta pelo PT, resolveu sequer ler a MP.

Ao longo dos últimos meses, entidades que atuam no setor do saneamento como a Associação Brasileira de Empresas Estaduais de Saneamento (AESB), Associação Brasileira de Serviços Municipais de Saneamento (ASSEMAE), a  Federação Nacional dos Urbanitários (FNU), a Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES), a Frente Nacional de Prefeitos (FNP), a Associação Brasileira de Municípios (ABM) e a Federação Interestadual de Sindicato de Engenheiros (Fisenge), trabalharam pela derrubada da MP.

A medida também enfrentou oposição de governadores. Vinte e dois deles assinaram documento contrário à MP 844, o que contribuiu muito para mobilização pela derrubada.

Na avaliação dos especialistas, a medida traria aumento de tarifas e diminuição da qualidade dos serviços. Entre os pontos polêmicos, estava o Artigo 10-A, dispositivo que acabava com o subsídio cruzado. Na legislação vigente, esse mecanismo permite que empresas de saneamento invistam nos municípios pequenos, e equilibrem sua tarifa a partir da receita obtida nos municípios superavitários.

Para isso, a medida obrigava a abertura de chamada pública para empresas privadas, para prestação do serviço de água e esgoto. “Assim, nos grandes municípios, as empresas privadas é que operariam os sistemas  e aumentariam a tarifa buscando lucro. Nos pequenos municípios as empresas estaduais continuariam operando, sem a possibilidade de usar o subsídio cruzado, e as tarifas também seriam majoradas”, explicou Florence.

Toda essa disputa foi acompanhada de perto pelo grupo de transição de Bolsonaro.  Agora, esta importante derrota do governo Temer coloca em alerta o governo Bolsonaro que quer aprovar, ainda este ano, algumas das suas medidas impopulares, como a Reforma da Previdência.

Fotos: Gustavo Bezerra / PT na Câmara

Comentário do Facebook
Continue lendo

Brasil

Marta Rodrigues critica falta de respostas sobre morte de Marielle e condena ato do MBL na UFBA

Publicado

em

 

Líder da oposição na Câmara de Salvador, a vereadora Marta Rodrigues (PT) lembrou que nesta quarta-feira (14) o assassinato da vereadora Marielle Franco completou oito meses sem respostas para a sociedade sobre a autoria e os mandantes do crime. Segundo ela, está nítido que há um desinteresse em elucidar por completo este episódio que atentou contra a democracia, num país onde apenas 6% dos casos de homicídios são elucidados. “Não basta sermos vítimas do feminicídio, nós mulheres temos que enfrentar o descaso com as investigações destes crimes. O assassinato de Marielle chocou o mundo inteiro e ainda assim não temos uma resposta. Essa é a realidade que todas as mulheres e seus familiares, infelizmente, convivem no dia a dia”, afirmou a edil.

“Há uma política de apagar a memória dos mortos no país, principalmente do povo negro”, disse Marta.

 

 

Vereadora Marta Rodrigues é líder da oposição na Câmara de Salvador

 

 

Para a petista, todos aqueles que lutam por justiça social devem estar em vigília constante no cenário de fascismo e retrocesso que se vislumbra. “A Anistia Internacional divulgou nesta quarta um documento apontando questões graves sem respostas, incoerências e contradições da investigação, mostrando-se ‘chocada’ com a condução”, pontuou.

A vereadora de Salvador repudiou, também, a ação de um pequeno grupo do MBL, na última terça-feira (13), que tentou descontruir o memorial em homenagem às mulheres mortas pelo feminicídio, instalado no Campus da UFBA de Ondina por estudantes da instituição durante o Fórum Social Mundial em março deste ano.

“Como se não bastasse, este grupo desrespeitou mais uma vez a memória de Marielle e de todas as vítimas do feminicídio. O memorial é um espaço onde concentramos luto e luta contra esses crimes. O machismo está cotidianamente tentando nos desestabilizar”, declarou.

A tentativa, filmada pelos próprios integrantes do MBL e postada na fanpage do movimento, foi impedida por estudantes que estavam no local. De mãos dadas, eles formaram uma roda em volta do memorial para protege-lo. “Um dos integrantes do MBL cita o memorial como um cemitério e diz que ‘essa Marielle tá morta mas roda mais do que ônibus de rota’ e diz que iria enterrar lá o caixão do PT’. Um movimento como este, que sobrevive do desrespeito às vítimas das desigualdades e do discurso de ódio, não merece nenhuma credibilidade”, ressaltou.

 

Comentário do Facebook
Continue lendo

TV Lampião

Facebook

Mais acessados