Connect with us

Brasil

VITÓRIA DA CONQUISTA: Estudantes rasgam outdoor de vereador que pede intervenção militar

Postado

em

Preso na greve da PM, o ex-policial David Salomão, hoje vereador pelo PTC, espalhou campanha em apoio à intervenção dos militares e ato revoltou a comunidade da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, UESB. Detido em 2012, o vereador chamou os estudantes de “criminosos” 

Em resposta à “Intervenção”, outdoor exibiu as mensagens: “Não à Ditadura” e “Ditadura nunca mais!”

Em meio a pregações cada dia mais rotineiras de uma suposta intervenção militar para salvar o Brasil da corrupção, o vereador de Vitória da Conquista, David Salomão (PTC), deflagrou uma campanha – não se sabe se financiada pelo próprio ou com dinheiro público da Câmara Municipal – para engrossar o coro pela volta dos militares. Um desses outdoors estampava o apelo aos milicos bem próximo da entrada principal da Uesb, por onde passam diariamente centenas de estudantes e professores. Insultada com a incitação em letras garrafais de um regime que ceifou vidas, torturou e empurrou muitos brasileiros para o exílio, a comunidade acadêmica reagiu e rasgou, na última quarta, 4, o pleito estúpido do vereador.

Um dos presentes no protesto foi o advogado e professor do curso de Direito da instituição, Ruy Medeiros. Torturado pelo regime militar, Ruy – um dos mais respeitados professores da universidade – cobrou um posicionamento oficial da Câmara Municipal. Em seu perfil na rede social Facebook, o vereador do PTC, ao estilo MBL/Olavo de Carvalho, reiterou a defesa da intervenção e chamou – sem um autoexame de consciência, evidentemente – os docentes de “doutrinadores”. Religioso, Salomão foi preso em 2012 após telefonemas interceptados pela Justiça flagrarem ele planejando “queimar carretas e viaturas” durante a greve da PM daquele ano.

G1-BA dá palanque para vereador se defender

Em mensagens interceptadas pela Justiça, David Salomão avisa que vai “queimar viatura” e incendiar “duas carretas”

Preso em 2012 por incitar a quebra da lei e da ordem, o vereador David Salomão invocou em sua defesa, sem invocar o seu passado, “vandalismo” dos professores e dos estudantes. “São marginais”, esbravejou o ex-policial. Além de entusiasta do regime militar e admirador de Jair Bolsonaro (condenado por injúria racial na última segunda, 2), Salomão atacou em sua página no Facebook o que chamou de “ditadura esquerdista”. Mas, ao estilo “o meu passado me condena”, Salomão foi filiado ao PCdoB, agremiação da qual foi expulso por “comportamento (durante a greve da PM) não condizente com a linha do partido”, segundo o então presidente estadual da legenda, Daniel Almeida. Por sua conduta em 2012, até mesmo a subseção local da OAB cogitou sua expulsão dos quadros da Ordem (ele também é advogado).

Mesmo com esse histórico desabonador, ao G1 Salomão posou de bom moço e prometeu processar estudantes e professores: “Defendo a liberdade de expressão e tive a minha liberdade violada. Eles agiram como verdadeiros ditadores. Fui alvo de criminosos”. A desvairada declaração passou desapercebida pelos editores do G1, uma vez que foi justamente o regime aclamado pelo vereador, e alvo do veemente protesto dos estudantes, que baixou AIs (Atos Institucionais) e Decretos-Leis cerceando a liberdade de expressão de artistas e instituindo a censura prévia à imprensa.

O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da Uesb divulgou nota em que repudia a mensagem do vereador por esta fazer “uma apologia à volta do vergonhoso regime de exceção o qual, além de macular nossa história, apresenta uma visão político-social que não reconhece a pluralidade de ideias, base em que se assenta a Uesb em sua missão educativa”.

ASSISTA AO VÍDEO:

Com informações: Megarádio VCA, Blog do Anderson, G1, Blog do Fábio Sena   

Comentário do Facebook

Brasil

Amazônia em chamas: Ibama foi alertado 3 dias antes do “Dia do Fogo”, acionou Moro, mas foi ignorado

Publicado

em

Ato foi marcado via whatsapp por mais de 70 ruralistas da região de Altamira (PA) para mostrar ao presidente Jair Bolsonaro que apoiam suas ideias de “afrouxar” a fiscalização. Ibama pediu ajuda da Força Nacional, que à época foi autorizada por Moro para reprimir atos de estudantes. Três dias antes do conluio por whatsapp entre mais de 70 ruralistas da região de Altamira, no Pará, para atear fogo na floresta amazônica em 10 de agosto, o Ibama, órgão do Ministério do Meio Ambiente, recebeu um alerta do Ministério Público Federal sobre a ação, chamada “Dia do Fogo”. As informações são de Carla Aranha, da revista Globo Rural, publicadas na noite deste domingo (25).

“A manifestação dos produtores rurais, caso levada a cabo, ensejará sérias infrações ambientais que poderá, até mesmo, fugir ao controle e impedir a identificação da autoria individual, haja vista a perpetração coletiva”, informou o MPF ao gerente executivo do Ibama em Santarém, Roberto Fernandes Abreu.

Segundo a reportagem, a resposta do Ibama ao MPF, datada do dia 12 e assinada por Roberto Victor Lacava e Silva, gerente executivo substituto do Ibama, informa que as ações de fiscalização estavam prejudicadas por “envolverem riscos relacionados à segurança das equipes em campo”. O documento diz ainda que já haviam sido “expedidos ofícios solicitando o apoio da Força Nacional de Segurança”, ignorados até então pelo ministro da Justiça, Sergio Moro.

Dia do Fogo
Reportagem publicada neste domingo (25) pelo site da revista Globo Rural revela que mais de 70 ruralistas, incluindo grileiros, combinaram por whatsapp incendiar simultaneamente as margens da BR163, na região de Altamira, no Pará, no dia 10 de agosto, que foi chamado “Dia do Fogo”.

O ato foi marcado para mostrar ao presidente Jair Bolsonaro que apoiam suas ideias de “afrouxar” a fiscalização do Ibama e quem sabe conseguir o perdão das multas pelas infrações cometidas ao Meio Ambiente.

Após a divulgação do ato, os ruralistas mudaram a versão e culpam organizações não governamentais (ONGs) pelo incêndio que consome a Amazônia, fazendo eco à versão propagada por Bolsonaro.

“Esse povo, se eles veem você, eles já vêm armado, já manda você parar, já toma seu celular. Você não pode fazer nada. As caminhonetes que eles andam fazendo esse terror todo, está escrito ICMbio. O presidente Bolsonaro tá certo quando diz que essas Ongs estão botando fogo”, disse a pecuarista Nair Brizola, de Cachoeira da Serra, ao jornalista Ivaci Matias, da Globo Rural, que fez a denúncia sobre o “dia do fogo” neste domingo (25).

Força Nacional
No dia 8 de agosto, dois antes do Dia do Fogo, Moro publicou uma portaria autorizando a atuação da Força Nacional contra os protestos de estudantes que aconteceram dia 13 em todo o país e ocupou a Esplanada dos Ministério, em Brasília.

A portaria 686, publicada hoje no Diário Oficial da União, previa que os agentes poderiam agir “em caráter episódico e planejado, nos dias 7, 12 e 13 de agosto de 2019”, a pedido do Ministério da Educação (MEC).

Em abril, Moro já havia liberado a Força Nacional para acompanhar – e, se fosse o caso, reprimir – manifestações em Brasília durante o Acampamento Terra Livre, uma marcha de indígenas de diversas partes do Brasil à capital federal que ocorre há 15 anos.
O acampamento de indígenas em Brasília foi alvo de críticas do presidente. Durante uma transmissão ao vivo via Facebook, o presidente se referiu ao evento como “encontrão” e disse que quem iria pagar a conta seria o “contribuinte”.

 

 

Comentário do Facebook
Continue lendo

Bahia

“O Nordeste tem um manual de bruxaria para crianças”, diz Damares

Publicado

em

Fala da ministra vem à tona na semana em que o presidente Bolsonaro inicia ofensiva no Nordeste, região onde ele tem menor popularidade

 Mais uma fala polêmica da ministra Damares Alves ganhou repercussão nas redes sociais. Durante uma pregação evangélica feita na Primeira Igreja Batista de João Pessoa, Damares afirma que “está chegando no Nordeste um manual prático de bruxaria para crianças de seis anos”. Segundo ela, o suposto material ensina a como ser bruxa, como fazer roupa e comida de bruxa, além de ensinar as crianças a produzirem a vassoura de bruxa em sala de aula.
O discurso de Damares foi feito antes de ela ocupar o cargo de ministra. O seu resgate nas redes sociais, no entanto, não favorece uma das próximas agendas do governo. Na sexta-feira 24, o presidente Bolsonaro viaja para o Nordeste com a intenção de fazer uma ofensiva na região onde tem menos popularidade – estão previstas a entrega de casas populares e o anúncio de mais verbas para obras de infraestrutura.
Dados do Ibope mostram que apenas 25% dos entrevistados dos estados do Nordeste aprovam a administração de Bolsonaro, 29% a consideram “regular”, 40%, “ruim” ou “péssimo”. Os índices são bem diferentes dos encontrados no Sul do País, por exemplo, onde 44% dos entrevistados aprovam o governo.

A desaprovação no Nordeste é algo que o pesselista enfrenta desde as eleições. O Nordeste foi a única região em que Bolsonaro perdeu para Fernando Haddad, candidato à presidência pelo PT. Foram 69,7% dos votos válidos para o petista (20,3 milhões) contra 30,3% para o capitão do Exército (8,8 milhões).

A hashtag #NordesteCancelaBolsonaro permanece entre os assuntos mais relevantes do Twitter nesta terça-feira 21. Durante sua campanha presidencial, Bolsonaro também fez declarações polêmicas sobre os nordestinos, quando questionado se o combate ao preconceito seria uma tônica do governo. “Tudo é coitadismo. Coitado do negro, coitada da mulher, coitado do gay, coitado do nordestino. Coitado do piauiense. Tudo é coitadismo no Brasil, nós vamos acabar com isso”. Pelo visto, a viagem vai acontecer sem o tom de boas-vindas.

MATÉRIA COMPLETA CARTA CAPITAL

Comentário do Facebook
Continue lendo

Bahia

VÍDEO: nos EUA, Bolsonaro chama estudantes de “idiotas úteis”, “imbecis” e “massa de manobra”

Publicado

em

VÍDEO: nos EUA, Bolsonaro chama estudantes de “idiotas úteis”, “imbecis” e “massa de manobra”

Comentário do Facebook
Continue lendo

TV Lampião

Facebook

Mais acessados