Connect with us

Brasil

Em entrega de título de cidadão, João Dória é “ovacionado” em Salvador

Postado

em

Cerca de 250 pessoas estiveram presentes no escracho contra o prefeito de São Paulo, João Dória

Não foi a receptividade que ele esperava. Nem mesmo os fogos de artifícios que estouraram para ensaiar uma suposta boas vindas ao agraciado da noite, o prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB-SP), foram capazes de abafar a ira dos cerca de 250 manifestantes que se concentraram em frente ao prédio da Câmara Municipal na noite desta segunda, 7, em Salvador. Discursos inflamados da população em geral falavam da vinculação de Dória com uma rica família de usineiros do recôncavo (ele é um dos descendentes), da passagem do prefeito pela Embratur (onde teria proposto incluir a “miséria nordestina” como atrativo turístico) e também da sua gestão como prefeito da maior cidade do Brasil.

 

Às 18h:30min, os acessos ao prédio onde João Dória iria receber a condecoração (a sede da Câmara) estavam completamente cercados com grades de proteção e com vários policiais que, além da guarnição, revistavam alguns poucos interessados em assistir o cerimonial de entrega da comenda. A expectativa aumentava a cada veículo que aportava em frente à Câmara e pudesse trazer a bordo o “homenageado”. A cada desembarque, a frustração cedia rapidamente espaço para a ira, já que eram, em sua maioria, alguns dos vereadores responsáveis pela designação honorífica. Ironia ou não, a estátua do primeiro-governador-geral do Brasil, Thomé de Souza, fica posicionada de costas para o Paço da Câmara de Salvador, e voltada para o famoso Elevador Lacerda, cartão-postal da capital brasileira nos tempos da colônia.

Por volta das 19h:30min, chegou a informação de que João Dória estaria ali ao lado, mais exatamente na sede da Prefeitura de Salvador, onde o seu colega e aliado, ACM Neto (DEM), fazia as honras e, possivelmente, estendera-lhe um felpudo tapete vermelho (nos bastidores, comenta-se que um dos planos do prefeito de Salvador é ser candidato à vice-presidente na chapa com Dória; o outro, é largar a Prefeitura e aventurar-se ao governo do estado).

ACM Neto e João Dória segundos antes de serem atingidos por ovos

Para a surpresa de todos, minutos depois, uma imensa comitiva de homens engravatados cobriu as escadas do Palácio Thomé de Sousa (a sede da Prefeitura) e começou a mover-se em direção à Câmara. Mas o fato é que entre o destino e a comitiva, que tinha entre os seus membros o ministro da Secretaria de Governo de Michel Temer, Antonio Imbassahy (que retornou à Câmara na semana passada para votar contra o prosseguimento da denúncia contra Michel Temer), havia uma massa furiosa – afinal, foi Dória, o homenageado pela Câmara, que chamou trabalhadores de vagabundos durante a greve geral de 28 de abril, além de ser um dos mais ardorosos defensores das reformas trabalhista e previdenciária. Não deu outra! A visita de Dória à Salvador iria lhe render capas e manchetes em todo o país. Mas não pela sua condecoração, que, diga-se de passagem, não lhe renderia metade das manchetes. E sim pela ovada que o prefeito de São Paulo, acostumado aos mimos da classe média paulistana e da imprensa local a ele submissa (a última capa da “Isto É” é apenas a expressão do mais sincero pensamento da imprensa paulista), iria receber e acertar em cheio o seu sempre bem-comportado penteado (veja no vídeo 1). Nem os guarda-chuvas foram capazes de deter os ovos arremessados contra a comitiva – todos nela são ardorosos defensores de Michel Temer, o presidente mais impopular desde Sarney. A comitiva teve que bater em retirada.

                                                                              Brucutus do prefeito atacam manifestantes

O tucano Dória foi atingido na cabeça por um ovo arremessado contra a comitiva

Enquanto a comitiva batia em retirada e procurava abrigo no edifício da Prefeitura, uma imensa confusão se formou na porta do Paço da Câmara Municipal. Brucutus, a mando do prefeito segundo os manifestantes, atacaram o “Nanotrio” pertencente ao “Coletivo de Ação Fora Temer” – minutos antes, uma suposta representante da SUCOM (órgão local de fiscalização) tentou, sem sucesso, confiscar o aparelho móvel de som, que é inspirado no trio-elétrico. Ao menos mais dois manifestantes foram agredidos, inclusive o advogado Daniel Andrade, que teve um forte ferimento numa das pernas. Somente após um cordão feito por policiais, que, a bem da verdade, não atacaram nenhum dos manifestantes (afinal, o direito à livre manifestação é constitucional!), a comitiva, sob forte escolta, conseguiu adentrar às pressas no edifício da Câmara, mas não sem os mais intensos protestos dos manifestantes.

Dória certamente não imaginava uma “recepção” tão calorosa. O prometido escracho foi devidamente realizado. O prefeito de São Paulo, que em sete meses de gestão comprou briga com grafiteiros, ciclistas, atacou a região conhecida como “cracolândia” e foi acusado de acordar moradores de rua num frio de 7° graus com jatos de água fria, viu que o Brasil não começa e não termina na Avenida Paulista. E que, diferente do que pensa o ciclo mais íntimo que lhe rasga elogios regados a champagnes e vinhos, o Brasil é muito mais complexo do que ele imagina.

Vídeo 1:

Vídeo 2 (Mídia Lampião):

Escracho contra o prefeito de São Paulo, João Doria.

Publicado por Mídia Lampião em Segunda, 7 de agosto de 2017

 

 

Comentário do Facebook

Bahia

Eleitores de Haddad sofrem ameaça de morte por seguidores de Bolsonaro

Publicado

em

A Mídia Lampião recebeu denúncias dos eleitores de Haddad onde afirmam que foram ameaçados de morte pelos seguidores de Bolsonaro nas redes sociais e nos grupos de WhatsApp.

Uma das vítimas do ataque, Alex Souza, relata que é um dos administradores do grupo ELE NÃO! HADDAD SIM, no WhatsApp, e por esse motivo foi atacado. “Um suposto eleitor de Bolsonaro entrou no grupo para bagunçar e provocar os participantes com notícias “Fakes News” – [notícias falsas], com palavrões e vídeos pornográficos, não satisfeito ele me fez ameaças com mensagem mostrando uma arma de fogo, ele realmente não me conhece”,  denuncia.

“Fiz os prints da conversa, fui até a delegacia e aguardo a apuração dos fatos, se essa gente travestida de eleitor de Bolsonaro está pensando que de forma covarde, vão ficar escondidos através de perfis do Facebook e contas do WhatsApp está redondamente enganados, quem tem sangue de escravos nas veias não foge à luta, meus antepassados lutaram muito pela liberdade, não será qualquer projetinho de Bozanoro que me calará!”, declara.

Para Souza, a urna não é lugar de depositar ódio e intolerância, é lugar de depositar a esperança de um Brasil Feliz de Novo.  “Bolsonaro é homofóbico, machista, racista, perverso e muito mais… Continuarei na luta pela democracia e gritando de boca cheia! ELE NÃO! ELE NUNCA! ELE JAMAIS”, ressalta.

 

Confira a denúncia na integra:

Não são as crises políticas, econômicas e éticas que põem em risco a democracia brasileira. A democracia brasileira,…

Publicado por Alex Sousa em Sábado, 13 de outubro de 2018

Comentário do Facebook
Continue lendo

Brasil

Relatos de violência e terror por causa de Bolsonaro: Como Bolsonaro vai garantir a segurança pública se não consegue nem segurar seus próprios apoiadores?

Publicado

em

Calil sofreu cortes na cabeça e nas pernas, e torceu o pé quando foi atropelado por um apoiador do Bolsonaro, na noite de domingo, em Curitiba.

Ele também relata que, quando foi registar o boletim de ocorrência, todos os computadores da delegacia estavam com adesivos do candidato.

Mais cenas de violência ocorreram hoje, na UFPR, desta vez contra um jovem que estava usando um boné do MST.

Veja a nota de repúdio da UFPR:

NOTA DE REPÚDIO contra ato de violência nas dependências da UFPR

Superintendência de Comunicação Social 9 de outubro de 2018 – 21h25

A Universidade Federal do Paraná lamenta profundamente o ato de violência ocorrido em frente às suas dependências. Um membro da comunidade foi vítima de agressão física, aparentemente por seu posicionamento político. Ele já foi encaminhado para atendimento médico e não corre risco de morte. Vidros foram quebrados na Biblioteca Central e na Casa da estudante universitária.

A Pró-reitoria de Administração e a Superintendência de Infraestrutura prontamente foram acionadas e já tomaram as devidas providências para garantir a segurança no local e boletins de ocorrência foram registrados.

A UFPR repudia veementemente todo e qualquer ato de violência, de preconceito ou de discriminação e entende que os espaços universitários são ambientes de debate e do exercício de liberdade de opinião. Um espaço histórico e simbólico que deve se manter pleno da democracia e de continua resistência à intolerância, à violência e banidas as formas de opressão.

Como Bolsonaro vai garantir a segurança pública se não consegue nem segurar seus próprios apoiadores?

Comentário do Facebook
Continue lendo

Brasil

Ed René repudia apoio de evangélicos a Bolsonaro: “Monstros sociais”

Publicado

em

Pastor batista chamou de intoleráveis as falas preconceituosas e os discursos de ódio de Bolsonaro

Em um culto no último domingo (30) na Igreja Batista da Água Branca (Ibab), em São Paulo, o pastor Ed René Kivitz chamou de intoleráveis as falas preconceituosas e os discursos de ódio de Bolsonaro, candidato de extrema-direita à presidência da República pelo PSL. Kivitz abordou as falas por ocasião das eleições que se aproximam e o envolvimento de várias igrejas e líderes no pleito, inclusive apoiando Bolsonaro.

O pastor lembrou do adultério do rei Davi com Bate-Seba, mulher de Urias, um dos homens de seu exército. Após engravidá-la e tentar, sem conseguir, fazer com que Urias acreditasse que o filho era dele, Davi manda seu súdito fiel ao campo de batalha para ser morto. E assim aconteceu, como está relatado no Segundo livro de Samuel, capítulo 11. Depois disso, Davi tomou Bate-Seba para si, como esposa.

Como profeta escolhido por Deus, Davi estava tão alienado que não conseguiu reconhecer seus próprios erros. Dessa angústia, nasceu o Salmo 51, uma oração do rei Davi a Deus, pedindo desculpas por seus erros e crimes, até um assassinato, pois suas mãos estavam sujas de sangue.

Ed René lembrou que o Davi era um homem “segundo o coração de Deus”, íntimo de Deus, piedoso, mas mesmo assim foi capaz de cometer tais atrocidades.

“Eu me pergunto por que um homem de Deus, um homem íntimo de Deus, piedoso, faz um mal nessas proporções?”

Segundo ele, a resposta está em forças monstruosas que todos temos dentro de nós:

“A palavra de Deus me informa que existem em nós forças, que nos vêm dos nossos antepassados. Forças atávias, que, se não forem mantidas sobre controle, despertam monstros. E nos levam a fazer coisas que só podem ser explicadas porque fomos arrebatados do nosso juízo, da nossa razoabilidade, do nosso senso.”

Isso explicaria também nosso contexto político atual e a aceitação de discursos extremistas, como os de Bolsonaro:

“Os monstros tomaram conta de nós. É isso que a Bíblia chama de tentação, quando a nossa carne assume o controle. Essas forças e esses monstros estão dentro de nós, mas também estão nas nossas sociedades. E os fenômenos sociais fazem com que esses monstros apareçam. E de repente, uma sociedade se torna monstruosa. Estou com muito medo de que isso esteja acontecendo no nosso país.

Sim, estou me referindo ao nosso processo eleitoral, às nossas eleições de domingo e aos monstros que estão soltos na nossa sociedade.”

Ed diz que essas forças estão dentro das igrejas também:

“A violência, a intolerância, os extremismos, os monstros de todos os lados, que são acordados, eles despertam. E esses monstros tomam conta da sociedade, e inclusive da igreja.

Nos já vimos a igreja, por exemplo, comprometida com a Ku Klux Klan. Diáconos e pastores batistas membros de uma seita racista e do movimento de segregação racial nos Estados Unidos. Nós já vimos o Apartheid na África do Sul, e a igreja estava presente sustentando o regime racista. A igreja protestante na Alemanha sustentou o nazismo.”

Por fim, o pastor aborda as falas de Bolsonaro:

“Eu fico chocado com as expressões do Jair Bolsonaro dizendo que ‘o problema da ditadura é que torturou mas não matou, poderia ter matado mais’, ‘não estupraria você porque não merece’. Eu fico chocado com a brincadeira ‘vamos metralhar os petralhas’, com uma criancinha fazendo sinal de revólver.

Fico chocado quando Jair Bolsonaro, no legítimo exercício da sua cidadania, é esfaqueado em praça pública.

Os monstros estão soltos. E estão soltos também entre nós.

O discurso racista, homofóbico, classista, machista, está presente dentro das nossas comunidades.”

Ed afirma que qualquer homem é capaz de qualquer coisa, assim como Davi foi capaz de assassinar um súdito seu, para ter sua esposa.

“A santidade não é um comportamento, não é prática rotineira de atividade religiosa. A santidade é um tipo de coração, é uma postura diante de Deus, um coração quebrantado, que Deus não despreza. É colocar nossos monstros diante de Deus e pedir misericórdia, que apague nossas transgressões, para que não nos abandone.”

Fonte: https://ativismoprotestante.wordpress.com – Publicado em 02/10/2018.

Comentário do Facebook
Continue lendo

TV Lampião

Facebook

Mais acessados