Connect with us

Brasil

Apesar da Internet, esquerda sofre massacre na comunicação

Postado

em

Por Jadson Oliveira – jornalista/blogueiro baiano

A direita tem uma hegemonia esmagadora nos meios tradicionais de comunicação de massa. E é majoritária, embora com disputa, nos digitais, cuja influência é crescente. A esquerda precisa não só da democratização da mídia, mas duma rede de informação contra-hegemônica.

 

De Salvador-Bahia – Na semana passada foi divulgada uma pesquisa do Ibope dando conta de que 36% dos eleitores brasileiros apontam que a Internet/redes sociais terão “muita influência” na escolha do presidente da República em 2018.

Enquanto no caso da mídia tradicional (TVs, rádios, jornais e revistas), dá quase o mesmo percentual: 35%. A vantagem para a Internet é que sua influência é crescente e os percentuais se distanciam quando são consultados os jovens: entre os de 16 a 24 anos, os números são 48% x 41%.

Sites da blogosfera progressista, divulgando a matéria do Estadão assinada por José Roberto de Toledo, deram o título ‘Internet terá mais influência que a Globo em 2018’.

Claro que a pesquisa traz outros quesitos e outros percentuais (link abaixo para a matéria). Mas o que me interessa mesmo é discutir tais números com referência à esquerda (ou às esquerdas), especialmente levando em conta a posição massacrante dos monopólios da mídia tradicional, em especial a Globo.

Porque me parece que há a ilusão entre as esquerdas (e/ou centro-esquerda) de que “muita influência” dos meios digitais significa maior influência das forças à esquerda.

Não é assim. Me atrevo a dizer que é o contrário. No que pese o combate travado no dia-a-dia pelos “guerrilheiros” da blogosfera progressista e das redes sociais.

A direita tem muito mais força na Internet do que as esquerdas. Além dos seus também “guerrilheiros” e dos grandes portais dos veículos da imprensa hegemônica (G1, UOL, etc), tem dinheiro à vontade para manejar “exércitos” de “militantes” contratados, com nível sofisticado de profissionalização.

No caso, o exemplo mais conhecido numa campanha eleitoral aqui na América Latina é a do presidente argentino Mauricio Macri. Seu badalado marqueteiro – o “guru” equatoriano Jaime Durán Barba –, dirigindo um grupo de 300 contratados, através de extensa pesquisa e monitoramento do eleitorado, contribuiu, talvez decisivamente, para o resultado do pleito.

Conforme analistas, tal metodologia – com modernos instrumentos da Tecnologia da Informação (TI) e considerada “revolucionária” -, foi utilizada também na vitória de Donald Trump nos Estados Unidos.

Então, creio que os 36% de “muita influência” da Internet/redes sociais acabam levando mais água ao moinho da direita.

Talvez a ilusão da esquerda, ao enxergar o contrário, seja vitaminada pela hegemonia quase total da direita nos meios tradicionais: TVs abertas e por assinatura, todas as rádios, todos os jornalões e três das quatro revistas semanais.

O domínio da direita é tão avassalador nas mídias tradicionais – segundo a pesquisa, 35% de “muita influência” – que o fato da esquerda ter um certo poder de fogo (minoritário) nas digitais gera um distúrbio de visão.

Entre parênteses:

Não confundir com a conjuntura atual, transitória, na qual esses meios hegemônicos de comunicação de massa estão divididos diante do ‘Fora Temer’, porque os verdadeiros donos do poder, que comandam das sombras – em especial o capital financeiro – estão da mesma forma divididos.

Divisão que chega aos seus tentáculos mais visíveis: além da mídia, Congresso (partidos) e Judiciário. Divisão que reside na incerteza quanto à capacidade do governo Temer de bancar as contrarreformas trabalhista e da Previdência.

Ou seja, os golpistas não conseguiram chegar ainda a um consenso no ‘Fora Temer’. Mas no
tocante às esquerdas (e/ou centro-esquerda, inclusive e sobretudo o PT e Lula), eles se unem sem dificuldades.

Conclusão:

Daí que, voltando a bater na minha tecla de sempre, a esquerda precisa lutar pela construção duma mídia contra-hegemônica, como fizeram governos progressistas e movimento popular da Argentina (no tempo de Cristina Kirchner), Venezuela, Bolívia e Equador. Mesmo agora, depois do golpe, em condições muito mais difíceis. É uma das condições para ter chances de lutar, de verdade, contra a corrupção, e pelas verdadeiras reformas, inclusive a democratização da mídia.

Link da matéria ‘Internet terá mais influência que a Globo em 2018’:

Comentário do Facebook
Continue lendo
Click para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bahia

MOVIMENTOS SOCIAIS SE PREPARAM PARA PROTESTAR NO VERÃO DE SALVADOR

Publicado

em

Por

Movimentos sociais na Bahia já se organizam para participar das atividades de verão na Bahia com Protestos e resistência ao golpe de estado no Brasil promovido pelo presidente ilegítimo em exercício Michael Temer. Movimentos como o Coletivo de Ação Fora Temer (CAFT), Filhos e Filhas de Marx, Médicos Pela Democracia, Transbatucada, sindicatos, entre outros, já se articulam para a formação de um movimento unificado para participar dos festejos de verão em Salvador, com muita luta e resistência, respeitando, é claro, os rituais religiosos presentes nas festividades baianas.

No CAFT os preparativos já começaram para as festas da Lavagem do Bonfim, Iemanjá, Carnaval, Dia da Mulher e Fórum Social Mundial (que ocorrerá este ano na cidade de Salvador nos dias 13 a 18 de março). Prometendo uma festa irreverente, com a presença de diversos artistas consagrados na Bahia, bastante música, percussão, Nanotrio, Djs, palavras de ordens, paródias e articulação com diversos movimentos sociais, o Coletivo de Ação Fora Termer promete deixar sua marca impressa no Bonfim através de muita arte, graciosidade, música, paródias e palavras de ordens, se configurando num movimento de luta e resistência dentro das atividades festivas de Salvador.
Mais informações ZAP: (71) 98853-2305, (71) 9 9190-2845

Comentário do Facebook
Continue lendo

Bahia

RUI COSTA 64 X 14 ACM NETO

Publicado

em

Por

No clássico baiano para ver quem se torna o melhor gestor público o governador da Bahia Rui Costa (PT) está dando de lavada no prefeito ACM Neto (DEM). Segundo pesquisa divulgada pelo portal G1, nesta terça feira, dia 02 de janeiro, o governador da Bahia lidera o ranking nacional com 64% de projetos executados ou em andamento das promessas feitas na campanha em 2014, se tornando o maior gestor do Brasil, além de ter as suas contas aprovadas no TCU, que não é o caso do prefeito de Salvador.

Bem longe disto, aparece o prefeito de Salvador ACM Neto com apenas 14% dos projetos executados ou em execução, bem abaixo da média nacional que é de 32% de execução de projetos pós-campanha.
Portanto, no embate direto entre os dois candidatos, o governador Rui Costa está dando uma verdadeira lavagem de competência e trabalho sobre o prefeito de Salvador, cujas ações se concentram basicamente em Festas, Asfaltos, Praças e Multas de Trânsito.

Comentário do Facebook
Continue lendo

Bahia

Por que a gente homem mata tantas mulheres?

Publicado

em

Por

Por Jocivaldo Dos Anjos

Elas estão certas no meio de tanta gente errada. A gente, que mata, não pode estar certa. Jamais que mata tanto pode estar certa. A ideia do imperialismo masculino como a fase superior do machismo: a ideia da posse que orienta a ideia do posso. Meus “compras”, a gente não pode. A gente não pode poder desta forma.

A gente se acha donos dos corpos, das almas, dos sonhos, dos querer, do pensamento, da manhã, da tarde, da noite… e, caso elas não tenham tempo de serem nossa a ente inventa e cria em nosso querer. Como este tempo, que não existe, não é de ninguém, a gente toma este tempo e cobra delas o único lugar que o imaginário pode morar: a vida.
Semana passava eu dialogava com um irmão meu – irmão que a vida que deu-. A gente precisa de ciclos para falar de vocês e seus sonhos e desejos, companheiras, entre nós homens. Dialogar sobre machismo com mulheres feministas ou não. Precisa de ser um tema nosso. Tem de ser tema dos ciclos, bem como outros temas que nos fere como gente na vida. Mas, tá demais.

Não é conversa para aplauso. Não é papo para se aparecer. É uma tristeza que mancha diariamente com sangue as páginas das vidas delas: a gente mata pela ideia de posse. A gente não saiu ainda do século XX em que elas não votavam. A gente não saiu ainda dos tempos que elas não tinham reconhecimento do trabalho. Compas, ainda a gente não saiu da idade média onde elas não gozavam. Elas hoje gozam, não por nossa vontade, mas pelo direito que elas – e todos os corpos tem de gozar.

A fase superior do machismo é o feminicídio. Quando elas falam: parem de nos matar não é somente uma frase de efeito. É o efeito de uma fase. Que fase! Uma fase que teima em na passar. Precisamos mais do que falar de machismo. Precisamos de superar. Tá puxado! Tá feio! A gente não é dono de ninguém. Porque ninguém pode ser senhor de ninguém em um tempo que não seja de escravização, compas. Desta forma, não sigamos. Não há como seguir matando tantas mulheres por nós sentirmos superiores. Pensemos! Mudemos! …

Comentário do Facebook
Continue lendo

TV Lampião

Facebook

Mais acessados