Connect with us

Brasil

Equador e Brasil: a comunicação faz a diferença

Postado

em

395447_103119549814001_2124317834_n

Por Jadson Oliveira

Por Jadson Oliveira – 70 anos, baiano, jornalista e blogueiro. Trabalhou em vários jornais (Tribuna da Bahia, Jornal da Bahia, Diário de Notícias, sucursal do Estadão, jornal Movimento) e assessorias de comunicação

 
Não é por acaso que Lenín Moreno, candidato apoiado por Rafael Correa, promete trabalhar pela “criação de um portal de notícias latino-americano, para servir de alternativa ao cerco informativo dos grandes monopólios midiáticos nacionais e internacionais”.
 
De Salvador-Bahia – Há um aspecto do sucesso da chamada Revolução Cidadã equatoriana, liderada pelo presidente Rafael Correa, que creio esquecido nas variadas análises que tenho lido no Brasil. Aproveito para abordá-lo agora que o Equador está na berlinda com a campanha do segundo turno da eleição presidencial, a realizar-se em 2 de abril.
 
Tal aspecto é nada mais nada menos do que a centralidade da batalha midiática, numa época dominada pela chamada guerra de quarta geração, elevada aos píncaros pela eficiência e sofisticação das tecnologias da informação.
 
As forças políticas no campo das esquerdas (e/ou centro-esquerda) no Brasil, inclusive nossos combativos blogueiros progressistas, parecem ter uma visão manca sobre este aspecto:
 
Durante o golpe que derrubou Dilma Rousseff – e também depois, com a tenaz perseguição ao ex-presidente Lula -, tais forças e suas lideranças, incluindo o próprio Lula, avançaram bastante em apontar um dos inimigos mais visíveis do povo brasileiro, os monopólios da mídia hegemônica, tendo à frente a Rede Globo.
 
Antes, a maioria, incluindo o próprio Lula, morria de medo de citar explicitamente a Globo, abrir a boca e dizer “a TV Globo”. A então presidenta Dilma nem pensar. Não porque sejam medrosos. É porque sabem que a Globo, com seu entrelaçamento de interesses com o grande empresariado e o mundo das finanças e do rentismo, representa – desde que foi criada e engordada durante a ditadura militar – a concentração de poder mais forte do país.
 
Só para facilitar a compreensão: seria possível existir um juiz Sérgio Moro e um STF deste que temos sem o respaldo da Globo. Daí que usamos o carimbo: golpe midiático/parlamentar/judicial.
 
Visão manca porque falta um outro ponto fundamental, do qual as esquerdas brasileiras (e/ou centro-esquerda) parecem não ter consciência: a extrema fragilidade diante da falta de armas e munição para travar a batalha midiática.
 
Não temos jornais diários, não temos TV de alcance nacional, não temos rádios. Não temos uma rede nacional de emissoras de rádio e TV comunitárias. Temos apenas uma revista semanal jornalisticamente confiável (contra três escancaradamente de direita) e, minoritariamente, blogs/sites/plataformas digitais.
 
Conclusão: nesta área, sofremos um massacre. E se não conseguimos construir uma rede de mídia contra-hegemônica, com veículos de comunicação de massa, durante os governos Lula e Dilma, quando aparentemente teríamos mais condições, avaliem agora depois do golpe. (Pensem na contribuição duma tal mídia para a mobilização popular).
 
Há de se discutir a prioridade a ser dada ao incremento dos meios digitais, hoje em franca ascensão, sobretudo entre a juventude, com o consequente fortalecimento dos nossos combativos “guerrilheiros” da blogosfera progressista e das redes sociais.
 
A respeito, lembro que Lula fez recentemente uma proposta interessante (pelo que sei, até agora sem qualquer repercussão prática): criação pela Internet duma rede nacional de comunicação popular, através da ação conjunta de partidos e movimentos como PT, PCdoB, MST, MTST e CUT.
 
Me alonguei em demasia nesta digressão sobre o Brasil. Mas é preciso marcar o contraste. Voltemos, portanto, ao Equador:
 
Correa estudou Comunicação depois de eleito presidente
 
É justamente neste aspecto que difere completamente do Brasil a experiência da Revolução Cidadã. É o seu protagonismo na batalha midiática. Não apenas por ter aprovado a Ley de Medios há mais de três anos – está sendo implementada -, democratizando as concessões de rádio e TV.
 
Mas, sobretudo, por ter criado armas e munição para travar, com poder de fogo, a batalha midiática: criou a mídia contra-hegemônica.
 
Quando estive por lá, em 2015, o governo de Correa tinha dois jornais diários, emissoras de rádio e TV (um canal de TV de forte presença nacional, o Equador TV – canal 7), agência de notícias, além de plataformas na web.
 
O presidente trata os meios privados de comunicação, declaradamente, como inimigos. Era inclusive (creio que ainda é) âncora dum programa semanal na Equador TV, chamado Enlace Ciudadano – de quatro horas (das 10 às 14 horas), aos sábados. (Como âncora, não chega a ter o desempenho espetacular dum Hugo Chávez, com seu Alô Presidente, mas dá para bater forte nos inimigos do povo, inclusive, claro, na imprensa venal).
 
Aliás, conta o jornalista e professor Ignacio Ramonet (diretor da Le Monde Diplomatique em espanhol) que Rafael Correa – economista, com cursos nos Estados Unidos e na Bélgica – estudou Comunicação depois que foi eleito presidente.
 
Não é por acaso que um dos pontos do programa de governo de Lenín Moreno, candidato da Aliança País (partido de Correa), é trabalhar pela “criação de um portal de notícias latino-americano, para servir de alternativa ao cerco informativo dos grandes monopólios midiáticos nacionais e internacionais”.

Aí está o grande diferencial que não é visto nem comentado nas análises que leio por aqui, inclusive de companheiros da blogosfera progressista, hoje a vanguarda da resistência nos meios de comunicação.
 
Este diferencial – protagonismo na batalha midiática – é, sem dúvida, um fator de peso – dentre outros, evidentemente -, nos êxitos indiscutíveis obtidos nesses 10 anos de Revolução Cidadã nas áreas econômica, política e cultural.
 
E, por certo, ajuda a entender as vitórias nas eleições gerais do último dia 19 e a possibilidade de triunfo no segundo turno presidencial em 2 de abril. O que não é pouco numa conjuntura marcada na América Latina pela “restauração conservadora”, expressão cunhada pelo próprio presidente equatoriano.
 
PS 1: Falarei num próximo artigo da coragem/temeridade de Rafael Correa ao abrir mão de disputar sua terceira reeleição.
 
PS 2: Deixo aqui link (ou endereço) de duas matérias que escrevi quando estava no Equador, em 2015:
 
Companheiros blogueiros progressistas: seria o governo brasileiro um caso perdido?
 
 
No Equador, há um presidente que é protagonista na batalha da comunicação
 

Comentário do Facebook

Bahia

O fenômeno Lula

Publicado

em

As pesquisas apontam. O mundo reconhece. Os brasileiros imploram. É emocionante falará do cara que virou ideia: O Lula.

Após 4 meses preso político o homem-ideia passa através das frestas das grades e faz o maior estardalhaço na recente história política do país. Se a boca não pode falar; a voz não pode ser ouvida, a imagem não pode ser vista e o cheiro não consegue ir tão longe. O que faz Lula crescer 9 pontos percentuais, conforme as pesquisas, após 120 dias trançados?
Se quem ao arrepio da lei imaginou que prendendo incorporar a ideia de apagaria, fez as contas erradas.

Mesmo com o Programa de Governo mais corajoso das eleições petistas, alinhado com o Desenvolvimento integral do país e com a inclusão de parcela considerável que ainda não faz parte da nação brasileira e retomada do desenvolvimento visto na era petista e a apresentação de reformas de base estruturantes; mesmo assim entre os ricos,, Lula amplia o seu eleitorado de 14% para 20%.no geral passa 30 para 39% no geral é, com a perspectiva de transferência de votos que já coloca seu apoiado no segundo turno das eleições. Mais ainda. Faz o PT ser, de longe partido mais querido do Brasil.

Estamos diante de um fenômeno que embolou a mente dos algozes que fizeram da comunicação uma partida de futebol marrada pelo locutor que torce para o time que perde; de um judiciário que assume publicamente sua opção política, quando a isonomia deve ser um princípio é de um mercado mambembe, que de tudo se faz (chantageia a população, faz análises e notas tentando desqualificar), mas o povo segue o Lula. Os mais atentos já sabem. Lula já ganhou na política ganhará nas urnas. Ganha o Lula ou que ele indicar. Pois, contra fatos tem havido muitos argumentos, mas o povo brasileiro tem argumentado mão forte ainda em favor dos fatos. Lula é um fenômeno.

Comentário do Facebook
Continue lendo

Bahia

PROTESTO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO

Publicado

em

Neste momento nas ruas do comércio, os professores da rede Municipal de Ensino, protestam por melhorias salarias. Adata base para o reajuste salarial é maio e desde abril a APLB-Sindicato, entidade representativa da categoria, entregou a pauta de reivindicações e foram realizadas várias reuniões entre o Executivo Municipal e a direção da APLB. Entretanto, como nenhuma resposta positiva foi apresentada, não restou alternativa, senão a greve!

 

Comentário do Facebook
Continue lendo

Bahia

Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB): Água e energia não são mercadorias!

Publicado

em

Trabalhadores percorreram as ruas da cidade de Boninal em marcha denunciando as ameaças que vem sofrendo e realizaram uma Audiência Pública

No dia 24 de julho atingidas e atingidos pela Barragem de Baraúnas/ Vazante realizaram marcha e Audiência Pública no município de Boninal (BA) para denunciar as violações dos direitos humanos que vêm sofrendo.

Atingidas e atingidos organizados pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) percorreram as ruas da cidade de Boninal em marcha denunciando as ameaças que vem sofrendo, a judicialização do processo contra os atingidos e as baixas propostas de indenização feita pela empresa.

“Eles dizem que a gente não produz na terra e que se não saímos da terra vão chamar a Polícia Federal para tirar a gente como que a gente fosse bandido, aqui não tem bandido, somos trabalhador, olha minhas mãos que é puro calo, foram elas que deram sustento pra minha família e agora querem tirar tudo” se indigna Dona Joana Rita.

A barragem que pretende aumentar a disponibilidade hídrica na região, está sendo construída pela Companhia de Engenharia Hídrica e de Saneamento da Bahia (CERB) e atingi os municípios de Seabra e Boninal na Chapada Diamantina. A obra é executada pelo estado da Bahia através Secretaria de Infraestrutura Hídrica (SIHS) em parceria com o Governo Federal por meio do Ministério da Integração Nacional e está estimada em quase R$ 100 milhões.

A Audiência Pública realizada na Câmara de Vereadores de Boninal foi convocada pelo Vereador Zequinha de Oliveira, e teve a participação do Deputado Estadual Marcelino Galo, membro da comissão de Direitos Humanos e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa da Bahia; Doutora Ana Carolina da Coordenação de Desenvolvimento Agrário (CDA); Godofredo Lima representando a Companhia de Engenharia Hídrica e de Saneamento da Bahia (CERB); Professor Lauro vereador do município de Seabra e representante da comunidade quilombola da Vazante, atingida pela Barragem; Moisés Borges e Eripes Ribeiro pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

“Defendo que haja um diálogo aberto entre as partes, e que a barragem de Baraúnas, que trará benefícios para a população da região da Chapada Diamantina, não seja um entrave para a manutenção dos modos de vida e economia dos pequenos agricultores. Não podemos permitir que crianças, idosos, jovens e famílias inteiras sejam remanejadas para um espaço sem a devida estrutura que necessitam” afirmou o Deputado Estadual Marcelino Galo.

O ato ainda contou com a solidariedade dos vereadores de Boninal, Sindicato dos Trabalhadores Rurais do município e organizações parceiras como Sindicato dos Trabalhadores em Água, Saneamento e Meio Ambiente (SINDAE) através de Danilo Assunção e da Central Única dos Trabalhadores (CUT) Elisângela Araújo.

“Queremos um processo de negociação coletiva, é inadmissível a CERB mover uma ação judicial contra duas famílias em uma iniciativa clara de individualizar e criminalizar as negociações. Queremos indenização justa, reassentamento rural como forma de reposição pelos danos causados, assim como garantias de infraestrutura, produção e trabalho, que dê condições de vida adequada para o início de uma nova vida” concluí Moisés Borges do MAB.

Com informações: Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB)

 

Comentário do Facebook
Continue lendo

TV Lampião

Facebook

Mais acessados