Connect with us

Brasil

Equador: nem tudo é retrocesso na América Latina

Postado

em

nacx019x0220x040

Lenín Moreno (atrás Rafael Correa) e Guillermo Lasso: conclusão do escrutínio vai dizer se haverá segundo turno (Foto: AFP/Página/12)

Depois do golpe no Brasil, da derrota eleitoral na Argentina e de outros estragos sofridos pelos governos considerados progressistas na região, as forças à esquerda ganham certo alento com a tripla vitória do presidente Rafael Correa.
De Salvador-Bahia – A reeleição apertada de Dilma Rousseff em 2014 e o golpe midiático-parlamentar-judicial de 2016 no “gigante” Brasil pareceram consolidar o ‘direita volver’ na América Latina.
Isto depois duma década – a primeira do século 21 – de ascensão de governos progressistas e aplicação de políticas de inclusão social, a partir da eleição de Hugo Chávez na Venezuela em 1998.
Consolidar porque os processos liderados por forças à esquerda (ou de centro-esquerda, talvez um enquadramento mais adequado),  vinham sendo seguidamente golpeados:
Os presidentes de Honduras e Paraguai foram derrubados através de golpe de Estado da nova modalidade em vigor, chamado “brando” ou “suave”. Não mais “militar”, como nos anos 1960/1970, mas orquestrado através dos conglomerados da comunicação de massa, do Parlamento e do Poder Judiciário, como veio a ocorrer no Brasil.
Na Argentina, o neoliberalismo voltou com Mauricio Macri, eleito democraticamente; na Venezuela, os anti-bolivarianos fizeram maioria, também em eleições democráticas, na Assembleia (Congresso) Nacional.
No Peru, o presidente que tinha sido eleito com programa supostamente progressista (Ollanta Humala) chegou tão desgastado à eleição que nem sequer manifestou apoio a um candidato para sua sucessão.
Até na Bolívia, onde o governo exibe bons índices econômicos em meio ao agravamento da crise geral do capitalismo, Evo Morales teve que amargar uma derrota num referendo que autorizaria uma nova disputa para nova reeleição.
Mas nas eleições gerais do domingo, dia 19, no Equador, os chamados progressistas respiraram mais aliviados: nem tudo na região parece ser “restauração conservadora”.
Tripla vitória: Presidência, Congresso e plebiscito
Vamos computar as dificuldades gerais do ponto de vista das esquerdas: crise econômica e domínio do rentismo, com a ação concertada – sob supervisão do império estadunidense – da mídia hegemônica (CNN, Rede Globo, Grupo Clarín na Argentina, Televisa no México, Globovisión na Venezuela e caterva do terrorismo midiático), e, na maioria dos casos, do parlamento e da Justiça/Ministério Público.
No caso específico do Equador, vamos acrescentar: redução drástica no preço do petróleo (responsável por um terço das exportações) e os prejuízos causados pelo forte terremoto do ano passado.
A despeito disso, o partido governista Aliança País, liderado pelo presidente Rafael Correa, venceu a disputa presidencial: Lenín Moreno, ex-vice-presidente de Correa, chega a 39,11% dos votos válidos, com 89% dos votos contados; o segundo colocado, o banqueiro Guillermo Lasso, chega a 28,34%.
O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) marcou nesta segunda-feira, dia 20, o prazo de mais três dias para chegar aos 100% da contagem. Como a diferença percentual entre Moreno e Lasso vem paulatinamente aumentando, há ainda possibilidade do governista ganhar neste primeiro turno.
Para isso, ele precisa atingir os 40% dos votos válidos, já que a outra condição Moreno já conseguiu: tem mais de 10% sobre Lasso. (Uma outra condição, já descartada, seria obter 50% mais um dos votos, conforme reza a Constituição). Se não atingir os 40%, haverá um segundo turno em 2 de abril.
Além disso, a Aliança País deve fazer maioria absoluta na Assembleia (Congresso) Nacional. Rafael Correa prevê a eleição de 75 deputados dentre um total de 137.
Terceira vitória: um plebiscito inserido nestas eleições gerais equatorianas deve ter também desfecho favorável aos partidários da chamada Revolução Cidadã: conforme números que vêm sendo divulgados, a maioria aprova a proposta do governo de proibir que autoridades tenham dinheiro em paraísos fiscais. “Essa é a verdadeira luta contra a corrupção”, disse Correa. 

Comentário do Facebook
Continue lendo
Click para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bahia

MOVIMENTOS SOCIAIS SE PREPARAM PARA PROTESTAR NO VERÃO DE SALVADOR

Publicado

em

Por

Movimentos sociais na Bahia já se organizam para participar das atividades de verão na Bahia com Protestos e resistência ao golpe de estado no Brasil promovido pelo presidente ilegítimo em exercício Michael Temer. Movimentos como o Coletivo de Ação Fora Temer (CAFT), Filhos e Filhas de Marx, Médicos Pela Democracia, Transbatucada, sindicatos, entre outros, já se articulam para a formação de um movimento unificado para participar dos festejos de verão em Salvador, com muita luta e resistência, respeitando, é claro, os rituais religiosos presentes nas festividades baianas.

No CAFT os preparativos já começaram para as festas da Lavagem do Bonfim, Iemanjá, Carnaval, Dia da Mulher e Fórum Social Mundial (que ocorrerá este ano na cidade de Salvador nos dias 13 a 18 de março). Prometendo uma festa irreverente, com a presença de diversos artistas consagrados na Bahia, bastante música, percussão, Nanotrio, Djs, palavras de ordens, paródias e articulação com diversos movimentos sociais, o Coletivo de Ação Fora Termer promete deixar sua marca impressa no Bonfim através de muita arte, graciosidade, música, paródias e palavras de ordens, se configurando num movimento de luta e resistência dentro das atividades festivas de Salvador.
Mais informações ZAP: (71) 98853-2305, (71) 9 9190-2845

Comentário do Facebook
Continue lendo

Bahia

RUI COSTA 64 X 14 ACM NETO

Publicado

em

Por

No clássico baiano para ver quem se torna o melhor gestor público o governador da Bahia Rui Costa (PT) está dando de lavada no prefeito ACM Neto (DEM). Segundo pesquisa divulgada pelo portal G1, nesta terça feira, dia 02 de janeiro, o governador da Bahia lidera o ranking nacional com 64% de projetos executados ou em andamento das promessas feitas na campanha em 2014, se tornando o maior gestor do Brasil, além de ter as suas contas aprovadas no TCU, que não é o caso do prefeito de Salvador.

Bem longe disto, aparece o prefeito de Salvador ACM Neto com apenas 14% dos projetos executados ou em execução, bem abaixo da média nacional que é de 32% de execução de projetos pós-campanha.
Portanto, no embate direto entre os dois candidatos, o governador Rui Costa está dando uma verdadeira lavagem de competência e trabalho sobre o prefeito de Salvador, cujas ações se concentram basicamente em Festas, Asfaltos, Praças e Multas de Trânsito.

Comentário do Facebook
Continue lendo

Bahia

Por que a gente homem mata tantas mulheres?

Publicado

em

Por

Por Jocivaldo Dos Anjos

Elas estão certas no meio de tanta gente errada. A gente, que mata, não pode estar certa. Jamais que mata tanto pode estar certa. A ideia do imperialismo masculino como a fase superior do machismo: a ideia da posse que orienta a ideia do posso. Meus “compras”, a gente não pode. A gente não pode poder desta forma.

A gente se acha donos dos corpos, das almas, dos sonhos, dos querer, do pensamento, da manhã, da tarde, da noite… e, caso elas não tenham tempo de serem nossa a ente inventa e cria em nosso querer. Como este tempo, que não existe, não é de ninguém, a gente toma este tempo e cobra delas o único lugar que o imaginário pode morar: a vida.
Semana passava eu dialogava com um irmão meu – irmão que a vida que deu-. A gente precisa de ciclos para falar de vocês e seus sonhos e desejos, companheiras, entre nós homens. Dialogar sobre machismo com mulheres feministas ou não. Precisa de ser um tema nosso. Tem de ser tema dos ciclos, bem como outros temas que nos fere como gente na vida. Mas, tá demais.

Não é conversa para aplauso. Não é papo para se aparecer. É uma tristeza que mancha diariamente com sangue as páginas das vidas delas: a gente mata pela ideia de posse. A gente não saiu ainda do século XX em que elas não votavam. A gente não saiu ainda dos tempos que elas não tinham reconhecimento do trabalho. Compas, ainda a gente não saiu da idade média onde elas não gozavam. Elas hoje gozam, não por nossa vontade, mas pelo direito que elas – e todos os corpos tem de gozar.

A fase superior do machismo é o feminicídio. Quando elas falam: parem de nos matar não é somente uma frase de efeito. É o efeito de uma fase. Que fase! Uma fase que teima em na passar. Precisamos mais do que falar de machismo. Precisamos de superar. Tá puxado! Tá feio! A gente não é dono de ninguém. Porque ninguém pode ser senhor de ninguém em um tempo que não seja de escravização, compas. Desta forma, não sigamos. Não há como seguir matando tantas mulheres por nós sentirmos superiores. Pensemos! Mudemos! …

Comentário do Facebook
Continue lendo

TV Lampião

Facebook

Mais acessados